FANDOM


Íconedeera-Rogue

As cartas de guerra eram missivas escritas por Assassinos e Templários que foram enviadas ao redor do mundo durante meados do século XVIII. Entretanto, algumas destas mensagens foram perdidas quando seus mensageiros morreram no trajeto, deixando-as para serem coletadas por Shay Cormac.

Cartas de guerraEditar

1751
Grão-mestre,

Devemos cessar as operações com escravos na ilha de Goree imediatamente. Estamos perto demais de dois grandes centros para o comércio, Saint-Louis em Senegal e Gâmbia, ao sul.

Entendo que a operação em Chichén Itzá será lenta sem homens, mas corremos o risco de nossos inimigos descobrirem se continuarmos. No momento, relatos exagerados do comércio de escravos de Goree começam a circular. Certamente podes encontrar escravos mais próximos ao local. As colônias francesas ou espanholas das Índias Ocidentais certamente são mais viáveis.

John Harrison
Ilha de Goree

1751
Caro Achilles,

Tu te lembras da tua tia Rhona? Eras um mero menino da última vez que te vi. Nem deixávamos que carregasses uma lâmina de verdade, mas por todos os relatos, estás deixando-nos orgulhosos aí no norte.

O motivo de estar escrevendo depois de todo esse tempo, é que eu fiz uma certa confusão. Tu pensarias que, sendo uma mestre Assassina encarregada de Havana, que eu não teria nem tempo nem energia para ficar de galanteios com a bela gama de lindos homens que vagam por Havana. Porém, sinto que devo aproveitar toda oportunidade de divertir-me, porque Deus sabe que não estou ficando mais jovem. No mínimo, pensarias que eu seria mais esperta do que ser pega na cama com um templário. De novo.

Não estou deixando-te desconfortável com essa conversa toda, estou? Sempre foste uma criança tão séria. Mas bem, o nome do desgraçado é Rafael Joaquín de Ferrer. Ele fugiu de Havana com alguns dos itens passados a mim por Ah Tabai, mapas antigos da península de Yucatán e algumas das minhas correspondências com outros Assassinos nas Índias Ocidentais.

As coisas aqui estão mais tensas que os nós das costas do De Ferrer. Os espanhóis, franceses e britânicos estão desejando controlar minha adorável cidade. Meus adoráveis Assassinos querem desesperadamente ir atrás do De Ferrer e matá-lo, mas eu preciso que todos fiquem em Havana para manter o povo seguro contra outro conflito tedioso entre impérios. Estou ocupada como nunca estive, mas, tudo parece terrivelmente sem graça. O que aconteceu com as grandes aventuras que nos fizeram correr contra templários atrás de um poderoso artefato que o tempo esqueceu? Agora não passa de uma disputa territorial entre regentes distantes. Talvez esse seja outro motivo pelo qual eu me deixei ser enganada por aquele maldito demônio. Ele me fez sentir jovem novamente.

Sendo de família espanhola, se De Ferrer não estiver no México, ele provavelmente estará em uma colônia próxima, ou Flórida ou talvez a Louisiana francesa. Se o encontrares, sê um bom rapaz e dá uma punhalada no pescoço dele para tua velha tia.

Rhona Dinsmore
Havana

1746
Irmãos e Irmãs,

Estou escrevendo para informar-vos que uma nova Irmandade está sendo criada no Novo Mundo. Eu já tenho aliados entre colonos ingleses, colonos franceses e o povo indígena da área.

Eu enviei cartas semelhantes de amizade por todo o mundo conhecido. Pois acredito que estamos cada vez mais conectados, dia após dia. Para a minha Irmandade ser bem-sucedida, precisaremos de aliados de todos os impérios, de todos os gêneros, de todas as raças, que acreditem na mesma coisa: O Credo.

Espero poder contar convosco.

Assinado,
Achilles

1748,
Grão-mestre Birch,

Meus informantes em Porto Príncipe me dizem que Mackandal compartilha do teu interesse em relíquias da primeira civilização. Ele as coleciona. Existem boatos sobre algo chamado "o Coração da Irmandade", um fragmento de uma relíquia maior que foi roubada por uma escrava chamada Jeanne, que tinha ligações com membros da irmandade dele.

Jeanne foi vendida para um comerciante ano passado, mas por acaso do destino, o comerciante é Philippe-Olivier de Grandpré, que é dono de uma empresa rival aqui em Nova Orleans. Se puderes usar tua influência no mundo da economia para atrapalhar seus prospectos financeiros, acredito que possa garantir uma relação através de casamento e da promessa de uma renovada estabilidade em seus negócios.

Como sempre, aprecio tua fé em mim.

Que o Pai da Compreensão te guie.
Madeleine de l’Isle
Nova Orleans

1748
Caro mestre Johnson,

É um prazer conhecer-te.

O Grão-mestre Birch fez arranjos para conectar-me ao Conde Heinrich von Brunau e ser nomeado como secretário de sua magnífica biblioteca, contendo cerca de 40.000 volumes de primoroso conhecimento. Embora na superfície, minha tarefa seja auxiliar o conde a escrever um livro sobre o sagrado império romano, eu estarei penetrando nos ditos 40.000 volumes em busca de qualquer coisa que possa ajudar o Grão-mestre a localizar relíquias de poder ou locais de precursores.

Que ideia maravilhosa é essa primeira civilização! E que visão ousada tem o Grão-mestre Birch. Há muito eu acredito que o único jeito de nos tornarmos grandiosos é emulando os antigos. Porém, quando tive este pensamento pela primeira vez, eu me referia aos gregos e romanos. Mas se pudéssemos ser como aqueles que vieram antes, certamente nada poderia deter-nos. Imagino que tipo de artes a primeira civilização criou. Eles tinham música? O que consideravam belo?

Mas agora, vamos ao assunto da minha correspondência. Caso descubras algum tomo relacionado à história e mitologia dos povos indígenas que te cercam, por favor, envia uma cópia a este que vos fala, para que eu possa adicioná-los à minha pesquisa. Como eu gostaria de poder publicar um livro sobre os precursores. Eles são minha nova, porém secreta, obsessão. Suponho que terei que me contentar em publicar livros sobre arte humana.

Que o Pai da Compreensão te guie.
Johann Joachim Winkelmann
Nöthnitz

1747
Mademoiselle Madeleine de l’Isle,

Your masterful handling of your father’s business has not escaped our notice. Your elevation into the upper crust of New Orleans society has not escaped our notice. Your discovery of our Order hiding beneath the skin of the world has not escaped our notice.

You have our attention. We are well aware of your desire to join our ranks. Here then, is our offer.

We believe there is something of immense value beneath the ancient Mayan stones of the Yucatan peninsula. Our endeavour will require large quantities of raw materials, including a constant supply of disposable labour.

If your cunning can supply our needs, we will see to it that your power and influence is not limited to the paltry colony of your birth. By receiving this letter, you have already agreed to our demands. Stand ready for further instructions.

May the Father of Understanding guide you.
Magdelaine Lévesque

1751
Grão-mestre,

Infelizmente, eu não encontrei qualquer vestígio da caixa precursora. Porém, acredito que tenha esbarrado em algo ainda maior. Uma enorme cidade Maia. É minha humilde opinião que devemos começar uma escavação imediatamente. Peço permissão para alocar grandes quantidades de recursos e homens para o México.

Rafael Joaquín de Ferrer
Chichen Itza

1750
Caro pai,

Eu cheguei em Cuba. Desde a perda do Grão-mestre Torres, o submundo de Havana está nas garras da Assassina escocesa louca, Rhona Dinsmore.

Dinsmore é velha, mas bem protegida. Temo que não seja possível estabelecer um Rito aqui até que sua Irmandade seja erradicada. Temo que as Índias Ocidentais estejam perdidas para nós.

Vou ficar em Havana por um tempo. Vou fazer todo o possível para procurar essa caixa precursora. Confio que meu trabalho aqui apagará qualquer dívida que nossa família tenha com aquele maldito Birch.

Teu filho leal,
Rafael Joaquín de Ferrer
Havana

1746
Mestre Harrison,

Eu não sei quais são as tuas fontes, mas após conduzir uma busca detalhada em Lisboa e áreas adjacentes, não encontrei traços de um local precursor. Acredito que as tuas informações sejam falhas.

Se não houver mais requerimentos, devo retornar às minhas tarefas. Conforme as nações ao nosso redor continuam a discutir, o comércio aumentou. Há outras questões mais urgentes com as quais lidar.

Sinto muito por não ser de ajuda nessa questão.

Que o Pai da Compreensão te guie.
Jorge Duarte Correia Pinto
Santa Maria de Belém

1744
Mentor,

Eu segui John de la Tour até sua terra natal no norte. O clima não combina comigo, visto que estou habituado ao clima das Índias Ocidentais. Mas não permitirei que esse desgraçado arrogante saiba o quanto estou sofrendo.

Chegamos em Québec e encontramos Mathieu Léveillé, um escravo de Martinica que foi comprado pelo governo francês para servir de carrasco. Dizia-se que ele possui certo conhecimento sobre a primeira civilização. Mas chegamos tarde demais. O clima frio cobrou caro do pobre homem, e ele contraiu uma doença e morreu setembro passado.

Mas nem tudo estava perdido. Para curar a depressão de Léveillé, o governo encontrou-lhe uma esposa nas Índias Ocidentais. Como o casamento não poderia mais ocorrer, ela foi posta à venda. John de la Tour, agindo por instinto, comprou-a. E ele tinha razão. Apesar de ela mal ter tido permissão de ficar na presença do seu prometido por medo de infecção, o carrasco transmitiu-lhe seus segredos mais valiosos, os quais ela prometeu proteger.

Eu perguntei o seu nome. Ela me disse que fora batizada Angelique-Denise, e que, antes disso, ela teve outro nome dado por outro mestre. Eu respondi que ela não tinha mais mestre, e sua liberdade começaria a partir da escolha do próprio nome. Ela riu – uma risada absolutamente adorável! – e me disse que o seu nome era Abigail.

Eu mudei de ideia sobre John de la Tour.

Teu discípulo,
Achilles
Québec

1751
Olá, pai.

A situação em Porto Príncipe continua terrível. Ainda não há sinal de Vendredi, e eu começo a suspeitar, como tu, que Mackandal o enviou em um propósito sinistro. Eu suspeito que ele esteja morto, mas não acho que tenha sido o terremoto que o matou.

Nossos contatos nas colônias ao norte revelaram que Lawrence Washington retornou em posse dos artefatos roubados. Teu velho amigo Achilles está lá. Sugiro que o procures.

Eu permanecerei aqui, fazendo o que posso, mas Mackandal está cada vez mais instável. Temo que recomeçando, nosso mentor insano será levado a cometer um ato realmente terrível. Como prometido, eu ficarei de olho nele o máximo que puder.

Espero que quando teus negócios nas colônias estiverem concluídos, que retornes aqui. Ajuda-me a reformar nossa irmandade e fazer de São Domingo um lar.

Por favor, guia-me à vitória.
Babatunde Josephe
Porto Príncipe

1751
Mestre Gist,

A sorte estava ao meu lado e eu não precisei encontrar uma desculpa para abandonar meu irmão nos trópicos. George pegou uma varíola fraca, então eu fui capaz de sair de Porto Príncipe enquanto ele se recuperava. Estou aliviado por ele ter sobrevivido à doença, embora ele provavelmente tenha sequelas. Ele é um rapaz esperto e espero poupar seu coração gentil das verdades horríveis de nossos graves negócios.

Uma vez no Haiti, eu não perdi tempo e comecei a rastrear os Assassinos. Eles são liderados por um líder de um braço Fugido chamado François Mackandal. Um tirano impulsivo por completo. Eu rastreei um dos homens dele, Vendredi, até a entrada de um tipo de caverna. Meu plano era emboscá-lo quando saísse, mas enquanto eu esperava, ocorreu um terremoto. O Assassino surgiu correndo para fora do local, mas suas pernas foram esmagadas por pedras que caíram. Eu prometi libertá-lo se ele me dissesse onde era o esconderijo de Mackandal. Ele disse e eu cortei sua garganta. Eu queria explorar a caverna, mas a entrada havia sido obliterada.

A devastação forneceu uma excelente cobertura para a minha aproximação ao campo de Mackandal. Eu roubei duas Peças do Éden que ele possuía: uma estranha caixa precursora e um manuscrito misterioso.

Quando receberes isto, eu já estarei voltando para a Virginia. Prepara-te. Nosso verdadeiro trabalho começa agora. Ao meu retorno, poderemos compartilhar as boas notícias com o Grão-mestre em Londres. Talvez minha liderança nas colônias seja finalmente reconhecida.

Que o Pai da Compreensão te guie.
Lawrence Washington
Barbados

1751
Meu caro Chevalier,

Sinto ouvir sobre teus problemas com o capitão do Áquila. Um navio daqueles merece o melhor, e como tal, eu não tomarei seu timão. Eu sou indigno de tal navio. Apenas o levaria à ruína e jamais me perdoaria se algo acontecesse com ele.

Eu me sinto capaz, porém, de servir como imediato. Eu cuidarei daquele navio como se fosse meu próprio sangue. Eu vou garantir que a tripulação o trate do mesmo modo.

Porém, antes de pôr meus pés a bordo, eu identifiquei alguns obstáculos mais próximos. Acredito que duas poderosas companhias de navegação francesas são possuídas por templários: a família Levesque da França e a família De l’Isle na Louisiana. Eles estão enviando o dobro de navios ao mar, mas seus lucros não parecem estar aumentando. O que esses demônios estão escondendo?

Ainda temos trabalho a fazer protegendo nossas operações aqui antes que eu possa justificar abandonar minha vida e me juntar à tua causa completamente.

Até lá, eu farei o que puder para dar auxílio, pois tenho a sensação de que dias sombrios estão diante de todos vós. Temo que uma tempestade se aproxima e eu raramente me engano sobre o clima.

Atenciosamente,
Robert Faulkner
Saint John’s

1748
Caro Achilles,

Obrigado pelo gentil convite para unir-me à tua Irmandade, mas devo recusar. Eu recentemente me casei com a filha do meu sargento e estou comprometido com o serviço no exército holandesa.

Tua admiração por minhas habilidades e devoção é apreciada. Tua preocupação pelo meu bem estar também é apreciada, mas é desnecessária. Não deixarei que as regras da sociedade me mantenham longe do meu dever. Como alguém que acredita na liberdade, confio que entenderás minha decisão.

Te desejo boa sorte em teus empreendimentos futuros.

Teu em amizade,
Jan Van Ant
Breda

1746
Master Gist,

We are basically just sending letters out filled with secret plans and praying they arrive safely. We need a front company, or a series of companies, to double as a communications network.

Master Johnson in New York has recently been appointed as the Colonel of the Warriors of the Six Nations. Not only is he well-established, but his relationship with the Mohawk may well benefit us in the future. I suggest we begin friendly overtures immediately.

In the meantime, I plan on influencing my in-laws to create a trading company a little closer to home.

May the Father of Understanding guide us.
Lawrence Washington
Virginia

1738
Mestre Washington,

Há três anos eu obtive um diário de Edward Kenway. Inspirado por sua descoberta do Observatório, ele dedicou muitos anos de sua vida buscando outros locais da Primeira Civilização.

Ele encontrou diversas catacumbas na Itália, das quais já estamos cientes. Havia um templo abandonado em Alamut. Mas as partes mais interessantes do diário eram as suas suspeitas de que havia algo escondido no Novo Mundo, uma localização tão grandiosa que faria o Observatório parecer uma latrina.

Eu quero esse grande templo. Eu o elegi como a maior prioridade da minha Ordem, e estou usando todos os recursos de que disponho. Estou buscando outros Ritos ao redor do mundo. O que quer que contenha, seja tecnologia ou conhecimento, eu irei usar para inaugurar uma nova era de paz.

Como mestre templário, aprendeste bem as tuas lições, e mereceste essa oportunidade. És meus olhos e ouvidos no Novo Mundo, agora. Não falhes comigo, Lawrence.

Que o Pai da Compreensão te guie.
Reginald Birch

1748
Señor Achilles,

Embora tenhamos começado os projetos preliminares para um navio para tua nova frota Assassina, nós não seremos capazes de construí-los aqui na Espanha.

Estamos preocupados com uma crescente presença britânica na área. Embora aparentemente pareça ser apenas o imperialismo exuberante deles, suspeitamos que a causa real seja a Ordem dos Templários. Parece que o Grão-mestre deles está ficando cada vez mais obcecado com as lendas sobre a raça dos precursores. Optamos por focar-nos em assuntos mais mundanos, e por isso estamos trabalhando para apelar à coroa espanhola para nos preparar para os conflitos futuros.

Eu enviei nossos projetos para o Conselho dos Assassinos na França. Acredito que eles sejam nossa melhor esperança de aliado no presente momento.

Atenciosamente,
Gaspar Velasquez
Cartagena, Espanha

1750
Mestre Washington,

Estou pouco contente com os resultados insignificantes que chegam das colônias. Tenho outros agentes ao redor do globo buscando incansavelmente por Peças do Éden e tu e teu bando inútil vos ocupais construindo um serviço postal.

Além disso, estou ciente de que a Irmandade dos Assassinos criou raízes em algum lugar nos arredores de Nova Iorque. Isso é simplesmente inaceitável.

Estou preparando para transferir um de meus agentes para as colônias. Seu nome é George Monro. Embora ele seja melhor que tu em tudo, ele será teu subordinado como tu és o especialista nessa parte do mundo. Porém, ele está aí para resolver teus problemas. Faz bom uso dele.

Esteja pronto para mais instruções.

Que o Pai da Compreensão te guie.
Reginald Birch
Troyes, França

1738
Anto,

Eu rejeito a tua oferta de ajuda. Eu recrutei a minha própria Irmandade, libertada das plantações. Meus fiéis acólitos são tudo o que preciso. Eles estão dispostos a morrer pela nossa causa.

Eu rejeito os teus pedidos de paz. Não haverá paz enquanto os franceses continuarem a espalhar-se por São Domingo como uma praga. O que entendes de paz, quando foi criado por um Mentor tão fraco como Ah Tabai? Se eu encontrasse uma relíquia precursora, eu não a destruiria! Eu a usaria o mais cedo e o máximo possível.

O meu conhecimento da Irmandade vem de sua fonte. "Laa shay’a waqi’un moutlaq bale kouloun moumkine”. Eu compreendo essas palavras de uma maneira que tu jamais entenderás. O meu Credo é puro, não diluído por séculos de fraquezas e acordos.

Se esses teus Assassinos ousarem me enfrentar, possivelmente irão morrer. Se esses seus Fugidos se unirem a mim, certamente irão morrer. Todas as coisas acabam em morte. Pois que seja a morte de franceses.

François Mackandal
Porto Príncipe

1749
Mestre Harrison,

Lamentamos que não poderás comparecer em nosso soirée. Madame de Pompadour deseja ver o mar, e o Rei Luís XV escolheu nossa bela cidade para satisfazê-la. A visita sem dúvidas irá causar um grande caos nas finanças da cidade, mas isso dificilmente preocupa pessoas como nós, certo?

Espero que teu Grão-mestre Birch esteja bem. Os negócios entre nossas duas companhias estão indo muito bem. Conforme pedido dele, nós começamos a expandir nossas operações coloniais para incluir buscas a elementos dos precursores. Fizemos contato com Madeleine de l’Isle em Nova Orleans.

Estamos falando com nossos contemporâneos espanhóis, que também são bem ativos na área. Eles sugerem que apesar de ganhar acesso a Yucatán pelas Índias Ocidentais ser perigoso, uma entrada pelas colônias inglesas pode ser mais segura.

Por favor, agradece o Grão-mestre Birch pelos seus presentes gentis e saibas que o informaremos se e quando fizermos uma descoberta.

Que o Pai da Compreensão te guie.
Magdeleine Levesque
Le Havre

1751
Grão-mestre,

A Flórida sob Alonso Fernández de Heredia parece estar indo bem. Ele já estabeleceu uma indústria naval e o governo espanhol está pronto para povoar a área. Não esperaria menos do primeiro governador templário da região desde Laureano Torres, que Deus o tenha.

Conforme instruído, ele continua a enviar ataques contra forças britânicas aqui na Georgia, para desviar a atenção para longe da nossa operação. Como os escravos são enviados para a Flórida, ele os transfere para de Ferrer no México. Eu recomendo que façamos de Fernández governador de Yucatán assim que possível, já que o local de trabalho do De Ferrer logo precisará ser protegido contra olhos curiosos.

Eu recomendo ainda que a ordem deixe a Flórida. Embora os Assassinos não tenham colocado os pés na Flórida em séculos, existe uma nova Irmandade trabalhando nas colônias ao norte, e a Flórida é acessível demais. Eu recomendo a Louisiana como nova base de operações para a escavação de Chichén Itzá. A mulher de l’Isle se provou impiedosa e capaz. Acredito que uma promoção para mestre templária com o mandato de supervisionar a operação de Chichén Itzá pode ser um próximo passo lógico para ela.

Que o Pai da Compreensão te guie.
John Harrison
Savannah, Georgia

1748
Monsieur d’Abbadie,

Imagino que tenhas perguntas sobre por que não és mais um prisioneiro do império britânico. Como tu és profundamente estúpido, deixa-me explicar-te:

Oficialmente, tua soltura é uma pequena nota de rodapé no Tratado de Aix-la-Chapelle. Extra-oficialmente, eu te libertei. Tu és, no máximo, mundano, no mínimo, irrelevante, não apenas para teu país, mas para a história da raça humana. De qualquer jeito, tu pertences a mim agora.

Eu sou uma espécie de homem de negócios e preciso de alguém mundano. Tu logo receberás uma posição na burocracia naval, e eu farei uso do que tu consideras habilidades administrativas. Elas certamente superam tuas habilidades como oficial naval. Para começar, tu serás meus olhos e ouvidos. Pequenos trabalhos por um valor pequeno. Com o tempo, tu falarás com minha voz e tuas recompensas também se tornarão... mais altas.

Eu não espero que entendas no momento. Tudo o que precisas saber é isso: tu serves a um propósito nobre e a um Grão-mestre.

Charles Gabriel Sivert, baron de l’Espérance
Paris

1747
Achilles,

Nadir Shah foi morto por minhas próprias mãos, mas o monstro conseguiu matar dois dos meus Irmãos.

Entretanto, por meio de desonestos ardis, o Diamante Koh-I-Noor acabou caindo nas mãos de Ahmed Shah, um chefe afegão. Devo persegui-lo imediatamente, se esperamos reivindicar a Peça do Éden para nós.

Apesar do meu coração ficar feliz de saber que tenho aliados em todo o mundo, sinto muito por não ter tempo de conhecer-vos ou a vossa causa melhor.

Ficai bem,
Salah Bey
Quchan

1740
Mentor,

Eu cheguei às colônias britânicas no norte. Apesar de entristecer-me por saber que jamais voltarei a ver-te, nem me beneficiarei dos teus sábios conselhos, estou ansioso com o desafio de criar uma Irmandade aqui que rivalize com a que criaste em Tulum.

Contudo, deparei-me com o inesperado: eu não sou o primeiro Assassino a caminhar por essas terras. Eu conheci um homem chamado John de la Tour, de uma família poderosa e bem-estabelecida em Acádia, ao norte. Ele afirma estar recebendo instruções do Conselho dos Assassinos, na França.

De la Tour está tentando construir uma rede de informações, com a intenção de identificar mais facilmente quaisquer ameaças em potencial nas Colônias. Ele tem uma teoria de que o Novo Mundo provavelmente deve conter locais e artefatos precursores. E apesar de supor que os templários acabarão chegando aqui para disputar uma parte dos recursos naturais, caso resquícios daqueles que vieram antes revelem-se, então eles desceriam às Colônias como trovão. John pretende descobri-los primeiro, enquanto desenvolve uma Irmandade para protegê-los.

John de la Tour é intrépido, chama atenção para si, e, por um tempo, achei que ele certamente comprometeria a Irmandade. Mas eu estava errado. Ele confunde com seuc harme, esconde-se à vista atrás de um sorriso. As pessoas sabem que ele é rico e perigoso, mas nunca param para questionar por quê. Ainda assim, ele é inacreditavelmente arrogante. Eu gosto dele, mas não confio nele. Pergunto-me se conseguiremos trabalhar juntos.

Teu discípulo,
Achilles
Norfolk, Virginia

1749
Achilles,

O Conselho dos Assassinos tem o prazer de informar-te que a construção do teu navio está completa. Ele foi feito pelos melhores construtores navais em Brest. Nós demos a ele o nome de Áquila, uma constelação cuja estrela mais brilhante é chamada Altaïr.

Ele aguarda a ti e tua tripulação.

Desejamos-te boa sorte.
Nicolas de Saint-Prix
Paris

1747
Grão-mestre Birch,

Deixa-me implorar, de um Grão-mestre ao outro, que me dês o auxílio de teus agentes ou conexões no governo, para a minha luta contra os impérios francês e otomano, e contra os Assassinos que estão por trás deles.

A nossa rivalidade com os otomanos vem desde o cerco fracassado de Solimão, simpatizante dos Assassinos. Agora eles não atacam mais abertamente, mas buscam incitar revoltas entre os meus escravos muçulmanos. E não é segredo que o Conselho dos Assassinos em Paris está usando o governo e o exército para opor-se ao seu tremendo progresso na Grã-Bretanha.

Diz o teu preço, mestre Birch, e eu o pagarei.

Que o Pai da Compreensão te guie.
Manuel Pinto da Fonseca
Malta

1748
Para William Johnson

A Companhia das Índias Orientais logo irá encarar uma forte resistência às suas operações se o reino de Mysore continuar a ganhar poder.

Como tu e tua companhia possuís experiência recente na realização de negócios econômicos e templários em terras ocupadas, qualquer ideia que puderes dar-nos aqui pode provar-se útil.

Os Assassinos nesta parte do mundo são como fantasmas. Sabemos que eles estão aqui, mas nunca conseguimos encontrá-los. Eles estão entrelaçados na própria mitologia do lugar.

Que o Pai da Compreensão te guie.
John Harrison
Calcutá

1742
Grão-mestre,

Eu não consegu encontrar locais precursores no oriente. Contudo, acredito que posso ter encontrado rastros de um artefato que, por séculos, acreditava-se perdido. A Assassina conhecida como Shao Jun possuía um tipo de caixa precursora, que, de acordo com os rumores, tinha um estranho poder. A caixa permaneceu na China por cerca de um século após sua morte. Eu acredito que os Assassinos tiraram o artefato da China secretamente com os galeões de Manila na direção de Acapulco.

Ela deve ser encontrada em algum lugar das Índias Ocidentais. Este será um território difícil de nos infiltrarmos, visto que tem estado firmemente sob o controle dos Assassinos desde o assassinato do Grão-mestre Torres.

Talvez se conseguíssemos provocar a rivalidade entre os impérios europeus, poderíamos procurar por ele sob a cobertura da guerra?

Que o Pai da Compreensão te guie.
John Harrison
Manila

1743
Mestre Harrison,

Com Portugal optando por fazer comércio com a Índia e o Oriente, estamos cada vez mais à mercê dos árabes omani. Logo seremos obrigados a recuar para o sul.

Apesar de concordar contigo e com o teu Grão-mestre de que pode haver incontáveis relíquias precursoras à nossa espera no coração da África, não ganharás acesso a elas por aqui.

Se tu e o teu Rito não puderem ajudar-nos, então nos deixa fora dos teus negócios.

Que o Pai da Compreensão te guie.
Lourenço de Noronha
Moçambique

1746
Caro Señor Ulloa,

Soube que és um homem das ciências que se tornou prisioneiro de Sua Majestade quando retornava à Espanha, vindo do Equador. Que infeliz coincidência teres sido capturado em tua longa jornada. Eu gostaria de pedir desculpas em nome do meu país por manter-te prisioneiro.

Apesar de ser um simples homem de negócios e imóveis, eu aprecio os bravos saltos que homens como tu dão em nome de toda a civilização.

Eu represento uma Ordem que está intensamente interessada em avanços científicos. Ela está presente em todas as nações do mundo, e suspeito que já devas ter conhecido seus membros, apesar de eles nunca revelarem sua lealdade.

Eu gostaria de usar a minha influência para apresentar-te à Real Academia de Londres. Existem certas antiguidades espalhadas pelo globo que eu desejo localizar e adquirir, e acredito que possas ser de ajuda.

Teu amigo,
Reginald Birch
Londres

1747
Grão-mestre,

Achei que gostarias de saber que encontrei o nosso cão desgarrado. Haytham tem feito perguntas sobre o que aconteceu ao seu estúpido pai.

Mas não te preocupes, o menino mimado ainda não suspeita de nada. Mas eu tive de matar aquele rufião de orelhas pontudas para mascarar o nosso envolvimento.

Questiono-me se te importas. Tens o diário de Edward Kenway e todos os seus fantásticos “segredos” sobre as pessoas que viveram antes das pessoas. Bobagens.

Quando te conheci, eras um homem de honra, de disciplina, de princípio. Eras a materialização de tudo o que havia de grandioso em nossa Ordem. Agora olha para ti. Um homem velho e triste, obcecado com contos de fadas. Mais interessado em algaravias do que na paz.

Então, se não te importas, Grão-mestre, deixarei que fiques com os teus livros e voltarei a dar paz à humanidade onde for possível. Já te aviso, se eu encontrar uma oportunidade de lidar com Haytham Kenway, irei aproveitá-la. Se dependesse de mim, teríamos matado-o junto de seu pai.

Que o Pai da Compreensão te guie.
Tenente Coronel Edward Braddock
Bergen-op-Zoom

1745,
Mentor,

Sinto por ouvir dos teus problemas de saúde. Só espero que essa carta te alcance a tempo.

Chegamos a Louisbourg em busca de um esconderijo pertencente a Nicolas Court, parente distante de Antoine Court, o líder religioso dos huguenotes. Nicolas é um hermetista que estuda a mitologia dos povos indígenas do Novo Mundo. De La Tour acreditava que ele possuía informações que levassem aos locais precursores.

Abigail e eu viajamos com ele, passando-nos por escravos. O subterfúgio fez meu sangue ferver, mas fez com que de La Tour parecesse incrivelmente rico, o que acabou abrindo muitas portas que, de outro modo, precisariam ser forçadas violentamente. Abigail tranquilizou o meu temperamento e conversamos frequentemente sobre as estranhas jornadas que nossas vidas percorreram até aquele momento.

Estávamos ficando sem tempo. As guerras na Europa estenderam-se para o Novo Mundo, e tropas inglesas desembarcaram em Louisbourg. John e eu tentamos falar com o governo francês, mas eles optaram por não aumentar as defesas de Louisbourg ao perceber que poderiam recuperar suas perdas negociando tratados. Eficiência medida em vidas humanas. John e eu fizemos o que podíamos para preparar-nos, enquanto Abigail vasculhava a cidade em busca do esconderijo.

Por fim, o tempo acabou. John presenteou-me com suas vestes de Assassino. Ele disse que os templários certamente estariam a caminho, se é que já não haviam chegado ao Novo Mundo, e que a hora de estabelecer uma nova Irmandade era agora. Ele apertou minha mão, chamou-me “Mentor” e deixou a fortaleza para atacar as tropas inglesas sozinho para dar-me tempo de completar a nossa missão.

Abigail encontrou o esconderijo. Ele estava vazio, como se Nicolas Court soubesse que estávamos vindo.

A única coisa que restou era um bilhete, onde estava escrito “BUSCA A MULHER CELESTE”.

Devo deixar Acádia. A Mulher Celeste é um mito iroquês, e assim Abigail e eu partiremos para Nova Iorque, onde irei, finalmente, começar a construir a minha Irmandade.

Espero que seus últimos dias sejam confortáveis e indolores, Ah Tabai. Obrigado por tudo o que me deste. Jamais te esquecerei.

Teu discípulo,
Achilles
Louisbourg

1750
Mestre Achilles,

Teu Áquila talvez seja o mais belo navio que eu já vi. Uma coisa tão ágil, avançando para frente e para trás como uma agulha. Fez meu antigo navio parecer uma vaca de três patas, mas uma vaca de três patas que ainda flutua, graças à tua intervenção oportuna.

Tu salvaste minha pele salgada, mas mais importante, salvaste minha mais excelente tripulação. Mesmo que acumule dez fortunas, jamais poderei recompensar-te por isso.

E então eu ficarei mesmo muito honrado em ajudar-te a preparar uma rota de navegação entre as colônias e teu povo na Europa. Eu mesmo farei as viagens, caso a oportunidade surja. Pede a teu homem Chevalier de la Vérendrye que contate-me quando estiver pronto, e começaremos o trabalho imediatamente.

Uma questão resta. És sempre tão sério? Pareces um velho, realmente.

Atenciosamente,
Robert Faulkner
Halifax

1748
Caro Achilles,

Recebemos notícias de que o Rei Jorge II da Inglaterra está oferecendo ajuda para financiar a frota do Rei Frederico I da Suécia, atualmente em construção nos nossos estaleiros. Suspeitamos que a corte do Rei Jorge possa estar sob a influência dos nossos inimigos.

Temos usado a Companhia Sueca de Levante como cobertura para nossas atividades desde 1738. No entanto, como empreendimento mercantil, não está indo muito bem. Com a ameaça de atividade templária nos estaleiros e com os nossos limitados recursos, sentimos muito não podermos ajudar a construir um navio para a tua Irmandade iniciante. Posso sugerir que entres em contato com o Conselho dos Assassinos na França?

Estamos exultantes que estejas estabelecendo uma Irmandade no Novo Mundo e sentimos muito não podermos fazer mais para assisti-lo.

Teus Irmãos em Estocolmo

1751
Achilles,

Embora eu esteja muito impressionado com o crescimento da Irmandade colonial, sinto receio e pavor que continuas a ignorar meus avisos sobre a aproximação do Rito britânico da Ordem dos Templários.

Reginald Birch anda vasculhando o mundo atrás de artefatos dos precursores e temos informações que sugerem que ele logo virará sua atenção para as colônias. Se, não, quando ele o fizer, ele certamente enviará seu mais perigoso agente, o mestre Haytham Kenway.

Podem haver templários no Novo Mundo agora mesmo. Sem dúvida já enfrentaste alguns. Mas não encontraste astúcia ou perigo até teres enfrentado um templário britânico. Temo o dia em que eu terei que enfrentar o próprio Kenway, e imploro que ouças meu pedido por atenção.♠

Minha próxima missão me leva a Córsega, então devo preparar-me para minha jornada. Entrarei em contato assim que possível.

Pela Irmandade,
Miko
Londres

ReferênciaEditar

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.

Fandom may earn an affiliate commission on sales made from links on this page.

Stream the best stories.

Fandom may earn an affiliate commission on sales made from links on this page.

Get Disney+