Assassin's Creed Wiki
Advertisement
Assassin's Creed Wiki
O Experimento Começa
  • Lucy: Temos um problema. Não consigo ancorá-lo na memória. Muito trauma psicológico. Ele está rejeitando o tratamento. Recuando.
  • Vidic: Desmond, preciso que você tente relaxar.
  • Lucy: Deixe-me tentar estabilizá-lo...
  • Vidic: Foco. Escute o som da minha voz. Reconheça que o que você está vendo não é real. Apenas uma foto do passado. Não pode machucá-lo.
  • Lucy: Droga! Não está funcionando.
  • Vidic: Espere um pouco, Sra. Stillman. Ele vai se ajustar. A primeira vez nunca é fácil.
  • Lucy: Estamos perdendo ele!
  • Vidic: Já chega, Srta. Stillman!
  • Lucy: Precisamos retirá-lo. Agora.
  • Vidic: Tudo bem, Desmond. Vamos tentar trazê-lo para fora agora.

Desmond ofegou e inalou profundamente.

  • Lucy: Você está bem?
  • Vidic: Eu disse que ele ficaria bem.
  • Desmond: Bastardos!
  • Vidic: Agora, agora, acabei de salvar sua vida.
  • Desmond: Salvou a minha vida?! Você me sequestrou! Você me amarrou nessa... coisa!
  • Vidic: Animus. É um Animus.
  • Desmond: Eu nem conheço vocês! Por que vocês estão fazendo isso comigo?
  • Vidic: Você tem as informações que precisamos, Sr. Miles.
  • Desmond: Informações?! Eu sou um barman, pelo amor de Deus! O que você quer que eu faça, ensine-o a como misturar um martini?!
  • Vidic: Nós sabemos quem você é. O que você é.
  • Desmond: Não sei do que você está falando.
  • Vidic: Não brinque comigo, não há tempo. Você é um Assassino; e, percebendo ou não, você tem algo que meus empregadores querem, trancado nessa sua cabeça.
  • Desmond: Mas eu não sou um Assassino! Não mais!
  • Vidic: Sim, seu arquivo indica isso. Algo sobre uma fuga. Muita sorte para nós.
  • Desmond: O que você quer de mim?!
  • Vidic: Que você faça o que foi mandado. O Animus nos permitirá localizar o que precisamos. Assim que tivermos, você estará livre para ir.
  • Desmond: Eu não vou voltar lá!
  • Vidic: Então, induziremos um coma e continuaremos nosso trabalho. Quando terminarmos, você será deixado para morrer. Verdade seja dita, a única razão pela qual você ainda está consciente é porque essa abordagem economiza tempo.
  • Desmond: Você é louco!
  • Vidic: Então, o que é, Sr. Miles? Viver ou morrer?
    Deite!
Memória Genética
  • Vidic: Uma decisão sábia.
  • Desmond: Uau. Onde estou?
  • Vidic: Você está dentro do Animus.
  • Desmond: Que é?...
  • Vidic: É um projetor que reproduz memórias genéticas em três dimensões.
  • Desmond: Memória genética?
  • Vidic: Parece que você vai precisar de pequeno tutorial. Muito bem, vamos começar de forma simples. O que é uma memória, Sr. Miles?
  • Desmond: É a... lembrança de um evento passado.
  • Vidic: Específico para o indivíduo que se lembra do evento.
  • Desmond: Sim, claro.

Vidic riu ironicamente.

  • Vidic: E se eu lhe dissesse que o corpo humano não abriga apenas a memória de um indivíduo, mas também as memórias de seus ancestrais? Memória genética, se você quiser. Migração, hibernação, reprodução. Como os animais sabem quando e para onde ir? O que fazer?
  • Desmond: Isso é apenas instinto animal.
  • Vidic: Agora você está discutindo semântica, Sr. Miles. Seja lá o que for que você chame, o fato permanece. Essas criaturas detêm conhecimento, sem a experiência de primeira mão necessária. Passei os últimos trinta anos tentando entender por quê. Eu descobri algo mais fascinante. As funções do nosso DNA funcionam como um arquivo. Elas contêm não apenas instruções genéticas transmitidas de gerações anteriores, mas também memórias. As memórias de nossos ancestrais.
  • Desmond: E o Animus permite decodificar e ler esses arquivos de DNA.
  • Vidic: Justamente.
  • Lucy: Mas há um problema. Essa é a memória específica que estamos tentando acessar. Infelizmente, quando tentamos abrir a memória, sua mente se retira. Você não tem confiança para entrar no corpo de seu ancestral. Foi o que aconteceu antes. Você foi eliminado da memória de destino e empurrado de volta para um estado mais estável.
  • Desmond: Por quê?
  • Lucy: É o seu subconsciente. Está resistindo. Encontramos reações semelhantes entre os pacientes submetidos à hipnose para reviver eventos traumáticos. Eles não podem pular diretamente para a memória específica. Eles precisam ser facilitados. Mesmo assim, pode haver problemas.
  • Desmond: Então como nós consertamos isso?
  • Lucy: Encontramos uma memória com a qual você pode sincronizar e seguir em frente. Você vai se acostumar com isso. Esse é o mais próximo que podemos chegar, então é onde teremos que começar. Estou fazendo o upload do programa tutorial agora.
Intervalo
  • Vidic: Ele está experimentando uma taxa de adoção muito melhor do que os outros sujeitos.
  • Lucy: Eu ainda estou puxando-o para fora. Ele está lá há muito tempo.
  • Vidic: Não, ainda não! Ainda estamos tão longe de onde precisamos estar.
  • Lucy: Não devemos arriscar.
  • Vidic: O que é mais uma hora ou duas?!
  • Lucy: Por que não discutimos isso na sala de conferências? Dê a Desmond um minuto para esticar as pernas.
  • Vidic: Eu realmente não vejo a necessidade...

Lucy interrompeu Vidic.

  • Lucy: Warren, por favor.
  • Vidic: Tudo bem!

Desmond escutou a conversa deles através do sistema de ventilação no banheiro.

  • Vidic: Não gosto que você questione minha autoridade na frente do prisioneiro. Há uma palavra para isso. Eu acredito que isso se chama insubordinação.
  • Lucy: E eu não gosto que você tente matá-lo. Há uma palavra para isso também. Eu acredito que isso se chama estúpido.
  • Vidic: Lucy! Essa não é minha decisão. Não defino os prazos, mas sou inteligente o suficiente para não desafiá-los! Você quer terminar como Leila?
  • Lucy: Eu sei que o acidente deixou todos nervosos.
  • Vidic: É por isso que não temos tempo para mimar ele!
  • Lucy: Se você empurrá-lo com muita força, ele desligará. E então, não teremos nada!
  • Vidic: Não temos nada agora!
  • Lucy: Mas teremos. Você só precisa ter um pouco de fé.
  • Vidic: Tudo bem. Mas quero que você pense em maneiras de melhorar o poder de permanência dele. Não podemos nos dar ao luxo de parar toda vez que o homem suar a camisa! Já é ruim o suficiente termos que atravessar essas memórias inúteis!
  • Lucy: Eu farei o que puder.

A dupla saiu da sala de conferências.

  • Vidic: É o suficiente por hoje, Sr. Miles.
A Fazenda
  • Lucy: Então, você é realmente um Assassino? Como Altaïr?
  • Desmond: Sim e não.
  • Lucy: O que você quer dizer?
  • Desmond: Eu deveria ser um. Mas eu fugi da "Fazenda" aos 16 anos.
  • Lucy: Fazenda?
  • Desmond: Sim, era assim que eles chamavam o lugar onde eu cresci. "A Fazenda." Como Masyaf, eu acho, só que não tão, uh... assustador. Apenas uma pequena comunidade deserta no meio do nada. Cerca de 30 de nós vivendo, sabe, fora da rede.
  • Lucy: Por quê?
  • Desmond: Achei que meus pais eram um bando de hippies loucos tentando lutar contra o sistema, sabe. Meu pai sempre falava sobre nossos inimigos, como eles estavam procurando por nós, como precisamos estar preparados. Mas... ninguém nunca veio. Nada aconteceu.
  • Desmond: Eu nunca poderia deixar o complexo. Você tem alguma ideia de como é estar preso em um lugar, sabendo que há um mundo inteiro lá fora, que você nunca verá?
  • Lucy: Você não sente falta dos seus pais?
  • Desmond: Não. Para mim, eles nunca foram meus pais. Eles eram meus guardas e eu era seu prisioneiro.
  • Lucy: Parece que eles só queriam te proteger.
  • Desmond: Com tudo o que aconteceu... eu não sei. Parece que eles estavam certos.
  • Lucy: Eu sinto muito. Não pretendia desenterrar o passado.
  • Desmond: Está tudo bem. Me dê um tempo para pensar.
  • Lucy: Tente dormir um pouco. Temos um longo dia pela frente amanhã.
Rastreamento
  • Desmond: Tenho uma pergunta antes de eu entrar.
  • Lucy: Certo.
  • Desmond: Como eles me encontraram? Quero dizer, não estou perto de outro Assassino há dez anos.
  • Lucy: Usa seu nome verdadeiro?
  • Desmond: Nunca. Não antes de hoje.
  • Lucy: Cartões de crédito?
  • Desmond: Apenas dinheiro.
  • Lucy: Número de telefone?

Desmond riu.

  • Desmond: Não há ninguém para ligar.
  • Lucy: Carteira de motorista?
  • Desmond: Motocicleta. Prazer culpado.
  • Lucy: Aqui está a sua resposta. Foto, impressão digital.
  • Desmond: Essa é uma empresa farmacêutica! O que a Abstergo tem a ver com o DMV?!
  • Lucy: Desmond, esses caras estão por toda parte. Eles... eu... me desculpe. Eu realmente não posso falar sobre isso.
A Ideia Certa

Desmond gemeu quando acordou e viu Vidic olhando para ele.

  • Desmond: Tenho que dizer que é um pouco assustador, doutor. Acordando com você parado em cima de mim. Você está me observando dormir?
  • Vidic: Estamos sempre observando você. Agora levante-se. Temos muito trabalho a fazer.

Desmond respondeu sarcasticamente.

  • Desmond: Oh, pergunto quem eu matarei hoje.

Vidic respondeu de maneira concisa.

  • Vidic: Não seja tão descuidado! Seus antepassados quase tiveram a ideia certa, Sr. Miles. Se a morte de algumas pessoas - pessoas más, nada menos - poderia salvar a vida de milhares mais, bem... parece um pequeno sacrifício.
  • Desmond: Como assim "quase?"
  • Vidic: Eles não foram longe o suficiente! Para usar uma analogia bastante cansada, a corrupção não é diferente do câncer. Corte os tumores, mas não trate a fonte e... bem, você está ganhando tempo na melhor das hipóteses. Não há verdadeira mudança sem intervenção abrangente e sistêmica.
  • Desmond: Quimioterapia para as massas.
  • Vidic: Educação. Reeducação para ser mais preciso. Mas não é fácil e nem sempre é preciso.
  • Desmond: Deixe-me adivinhar, você tem uma solução melhor. Então o que é?

Vidic riu.

  • Vidic: Agora, isso seria revelador.
Prazo
  • Desmond: Então, diga-me quem enfiou o pau na bunda dele?
  • Lucy: Temos um prazo. Uma semana... bem, seis dias agora.
  • Desmond: Prazo?
  • Lucy: Eu não posso falar sobre isso.
  • Desmond: Cara, coloque-se no meu lugar. Estou sendo mantido refém por um grupo de cientistas - pelo menos acho que vocês são cientistas - e forçado a passar o dia todo em uma máquina maluca. Você não vai me dizer o que está procurando ou por que deseja, mas devo agradecer por me manter vivo. Isso é tão fodido!

Lucy olhou para Desmond.

  • Desmond: Desculpe, mas é isso.
  • Lucy: O que você quer que eu faça?
  • Desmond: Hmm, vamos ver... não sei... talvez me dê algumas respostas?!
  • Lucy: Não posso! E é melhor assim. Mais seguro.
  • Desmond: Mais seguro para quem?
  • Lucy: Nós dois.
Tradução
  • Desmond: Ei, você sabe o que? Acho que tenho uma pergunta que você realmente pode responder.
  • Lucy: E aí?
  • Desmond: Por que às vezes os caras lá falam como se fossem do futuro?
  • Lucy: Do futuro?
  • Desmond: Eu quero dizer do presente. Agora, hoje, tanto faz.
  • Lucy: Você provavelmente já reparou que o inglês se tornou o idioma oficial da Terra Santa.
  • Desmond: Sim, eu ia dizer...
  • Lucy: O Animus está traduzindo o discurso que considera vital para o inglês mais moderno. Então, espere alguns anacronismos. Eu provavelmente poderia torná-lo mais autêntico, mas... você já leu Chaucer?
  • Desmond: Quem?
  • Lucy: Sim, definitivamente não é para você.
Abstergo
  • Desmond: Você pode me falar mais sobre a Abstergo? Ou o que se passa aqui, além de tudo me manter prisioneiro.
  • Lucy: A Abstergo é uma das maiores empresas farmacêuticas do mundo. Seu foco principal são os antidepressivos. Há algumas informações no computador por lá.
  • Desmond: Mas você já disse que não se tratava de testar uma droga. Então, qual é o problema?
  • Lucy: Eu não gosto de onde isso está indo.
  • Desmond: Portanto, é seguro assumir que o Animus não faz parte de sua face pública.
  • Lucy: O que, você não viu os comerciais?
  • Desmond: Meu Deus. Ela tem senso de humor.
  • Lucy: Sinto muito, Desmond. Eu tenho muito trabalho a fazer. Como eu disse, se você quiser saber mais sobre a empresa, dê uma olhada no computador. O material de telecomunicações é particularmente interessante.
Ordem
  • Vidic: Vamos, Sr. Miles! Desperdício de tempo!
  • Desmond: Onde está Lucy?
  • Vidic: Oh, não se preocupe, ela estará conosco em breve.
  • Desmond: Então, por que você está fazendo isso, doutor? O que você espera conseguir?
  • Vidic: Você ligou a televisão ultimamente? Leu o jornal?
  • Desmond: Nunca me importei muito com essas coisas.
  • Vidic: Então deixe-me resumir para você: O mundo está uma bagunça! É patético, realmente. Você já viu isso em primeira mão. Mil anos entre você e seu ancestral e a sociedade continua tão bárbara quanto estúpida.
  • Desmond: E seu ponto é...
  • Vidic: Ordem, Sr. Miles. O mundo precisa de ordem. É para isso que estamos trabalhando e é isso que você está nos ajudando a alcançar.

Desmond riu.

  • Desmond: Você espera que eu acredite que você está construindo um amanhã melhor?!
  • Vidic: É exatamente o que estamos fazendo! A raça humana clama por direção. Eles querem saber por que estão aqui, o que devem fazer. Bem... nós vamos contar a eles. E uma vez que eles entenderem como viver suas vidas, tudo ficará melhor.
  • Desmond: Melhor como?
  • Vidic: O fim de todos os conflitos, grandes e pequenos. Não é para isso que os Assassinos se esforçam? "Paz em todas as coisas?"

Desmond respondeu severamente.

  • Desmond: Eu te disse, eu não sou um Assassino.
  • Vidic: Certo, certo.
  • Desmond: Ainda não sei onde me encaixo nisso.
  • Vidic: Com o tempo, Sr. Miles. Com o tempo, você entenderá... ou não! Eu não me importo de qualquer maneira, contanto que você nos mostre onde está.
  • Desmond: Onde está o quê?!
  • Lucy: Desculpe estou atrasada. Pronto para ir?
  • Vidic: Sim, estamos.
Superaquecimento de Tensões
  • Vidic: Deus, droga! Qual é o problema agora?
  • Lucy: Estou recebendo leituras estranhas de temperatura. Eu acho que o Animus está superaquecendo.
  • Vidic: Cristo! Sempre é alguma coisa! Quão mais?
  • Lucy: Muito cedo para dizer.
  • Vidic: Esses atrasos são inaceitáveis, Srta. Stillman! Exijo relatórios de progresso a cada hora!
  • Lucy: Vai demorar um pouco, Desmond. Por que você não se deita ou algo assim? Descanse um pouco.
Convidada da Empresa
  • Desmond: Por que ele está sempre gritando com você? É a máquina dele.
  • Lucy: Suas teorias. Ele não foi quem construiu.
  • Desmond: Quem fez? Você?
  • Lucy: Não, a Abstergo tem uma equipe de engenheiros. Não há muito que eles não tenham. Mas eu supervisionei a assembleia. Acho que é por isso que ele fica tão bravo comigo.
  • Desmond: Ele é um idiota.
  • Lucy: Ele está sob muita pressão. Todos estamos.
  • Desmond: Não acredito que você está defendendo o cara.
  • Lucy: Warren salvou minha vida. Então, se ele quiser gritar um pouco, deixe-o.
  • Desmond: Como assim ele salvou sua vida?
  • Lucy: Você não é o único que não chega em casa à noite.
  • Desmond: Espere, você está dizendo que é uma prisioneira?

Lucy foi até o Animus.

  • Lucy: Quando eles se aproximaram de mim, eu estava terminando meu doutorado. A universidade deixou claro que eu não havia futuro lá. Eles não gostaram do assunto do meu doutorado... chamaram de pseudo-ciência. Disseram que me manter os desacreditariam e os embaraçariam. Era o mesmo em todo lugar. Outras universidades... empresas nas quais fui entrevistada... logo estava sem dinheiro e sem tempo.

Lucy juntou os dedos.

  • Lucy: Eu estava tão perto das mesas de espera. Então, eu recebi uma carta.
  • Desmond: Do Vidic?
  • Lucy: Ele disse que acompanhava minha carreira desde a graduação. Que ele acreditava no meu trabalho e queria se encontrar para discutir meu futuro. Você não tem ideia de como foi bom ouvir isso. Então eu me encontrei com ele. O que eu tinha a perder?
  • Desmond: E ele te ofereceu um emprego.
  • Lucy: Sim. Aqui na Abstergo. Ajudando no Projeto Animus. Eu teria a chance de testar minhas teorias e provar que os professores estavam errados. Como eu poderia recusar isso?
  • Desmond: Acho que estou perdendo a parte em que você se tornou uma prisioneira.
  • Lucy: Às vezes me pergunto se eles não estavam por trás de tudo. Se eles manipulassem eventos, eu ficaria desesperada. Eles podem fazer isso. Eles podem fazer qualquer coisa. Não pensei que quando concordasse em vir aqui... eles até me disseram que eu ficaria presa. Por 6 meses, um ano no máximo. Depois que o produto foi lançado, não haveria mais necessidade de sigilo. Mas, até então, eu seria uma "convidada da empresa". Pelo menos... foi o que eles disseram.
  • Desmond: E quando o Animus estava pronto?
  • Lucy: Eles entraram enquanto eu estava dormindo. Três caras... armas...

Lucy levantou-se e foi até as janelas próximas.

  • Lucy: Eles me arrastaram para fora da cama... Deus... a pior parte é, que eu os conhecia. Um cara, Richard, almoçamos juntos às vezes. E agora ele estava... eles estavam contando piadas... eu tentei me afastar... ele me bateu... e foi quando ele me disse que eu ia morrer.
  • Desmond: Cristo! O que você fez?
  • Lucy: Nada. Eu ficava me dizendo que não era real. E então Warren estava lá, gritando para eles se afastarem de mim. E eles ouviram.
  • Desmond: Jesus...
  • Lucy: Ele não é um homem feliz, Desmond. Eu nem diria que ele é um bom homem, mas ele salvou minha vida. Eles nunca vieram atrás de mim de novo. E ele prometeu que nunca o fariam.
  • Desmond: Mas você ainda está presa aqui trabalhando para esses malucos.
  • Lucy: Mas estou viva. De qualquer forma, eu realmente preciso consertar o Animus. Vejo você amanhã, Desmond.
Trabalho da Abstergo
  • Vidic: Levante-se e brilhe! Ainda temos um dia pela frente!
  • Desmond: Você está de bom humor esta manhã.
  • Vidic: A Srta. Stillman fez algumas modificações no Animus. Você deve ser capaz de permanecer dentro por mais tempo agora.
  • Desmond: E ajudá-lo com sua caça ao tesouro.
  • Vidic: Isso é um assunto sério, Sr. Miles. Não acho que você goste totalmente do trabalho que a Abstergo faz.
  • Desmond: Talvez porque eu realmente não sei o que vocês fazem.
  • Vidic: Nós mudamos o mundo. Todos os dias de cem maneiras diferentes. Você sabia que quase todos os avanços dos milênios passados, sejam médicos, mecânicos ou filosóficos, vieram da Abstergo ou de seus antecessores?
  • Desmond: Essa é uma afirmação ousada, doutor. Pense que você pode estar exagerando um pouco?
  • Vidic: Nem um pouco. Oh, certamente não aceitamos o crédito. Isso suscitaria muita suspeita. Escolhemos nossos beneficiários com muito cuidado.
  • Desmond: Por quê?
  • Vidic: Não é óbvio? Isso significa que estamos no controle.
  • Desmond: Mas como? O que faz vocês tão especiais, tão inteligentes? Que você inventou todas essas coisas enquanto nós, meros mortais, tropeçamos como idiotas?
  • Vidic: Para ser justo, nós não os inventamos. Nós os encontramos.
  • Desmond: Encontramos?
  • Vidic: São presentes, Sr. Miles, daqueles que vieram antes. Teremos que continuar essa discussão mais tarde. Desperdício de tempo.
Os Templários
  • Desmond: Já terminamos?
  • Vidic: Levante-se.
  • Desmond: O que você disser, doutor.

O telefone de Vidic tocou e ele atendeu, iniciando uma conversa.

  • Vidic: Estou terminando a sessão... Eu já vou. Você tem certeza disso?... Sim. Não. Tudo está Denver... Não vejo como ele poderia... Claro... Eu entendo.

Vidic desligou e depois se dirigiu a Desmond.

  • Vidic: Você está com muitos problemas, Sr. Miles.

Vidic saiu do laboratório.

  • Desmond: Qual é o problema dele?
  • Lucy: Eles estão vindo buscar você.
  • Desmond: Quem vem me buscar?
  • Lucy: Os Assassinos.
  • Desmond: Ei, eu não tenho nada a ver com isso!
  • Lucy: Parece que eles estão montando algum tipo de tentativa de resgate. Acho que você é mais importante do que imaginava.
  • Desmond: Cara, as coisas estão ficando cada vez mais estranhas por aqui.
  • Lucy: Isso estava prestes a acontecer.
  • Desmond: O que você quer dizer?
  • Lucy: Aquela pequena briga que seu antepassado começou durante a Terceira Cruzada? Ela nunca terminou. Você está sendo mantido pelos Templários.
  • Desmond: Vidic é um Templário?
  • Lucy: Não há como você saber, eles escondem isso tão bem. Mas, para responder sua pergunta, o Vidic trabalha para eles. Todos nós trabalhamos. A Abstergo é a empresa deles.
  • Desmond: Eu pensei que os Templários eram velhos com chapéus engraçados, sentados bebendo cerveja, planejando dominar o mundo como o... povo lagarto.
  • Lucy: Não. Exceto a parte sobre dominação do mundo, eu acho. Olha, Desmond, é complicado. Metade das coisas que eles dizem sobre os Templários vem de malucos loucos usando chapéus de papel alumínio. A outra metade é desinformação intencionalmente produzida pelos próprios Templários.
  • Desmond: Mas eles são os "bandidos", certo?
  • Lucy: Se há uma coisa que aprendi desde que comecei a trabalhar aqui, é que isso não existe. É tudo tão relativo. Acho que a melhor maneira de explicar é... o que eles querem é bom. Mas do jeito que eles estão fazendo isso... É ruim, muito ruim.
  • Desmond: O que eles estão tentando fazer? Lucy?

O telefone de Lucy tocou e ela atendeu.

  • Lucy: Sim?

A voz de Vidic podia ser ouvida através do telefone de Lucy.

  • Vidic: Srta. Stillman, preciso falar com você. Suba aqui, agora!
  • Lucy: À caminho, doutor.

Lucy desligou.

  • Lucy: Sinto muito, Desmond, tenho que ir. Você deveria passar a noite. As respostas para todas as suas perguntas estão bem à sua frente. Você só precisa saber para onde procurar.
A Peça do Éden
  • Desmond: Eu acho que há um problema com o Animus.
  • Lucy: Não. Está funcionando bem.
  • Desmond: Eu tenho certeza que me expulsou...
  • Lucy: Eu tenho certeza que você deveria calar a boca.
  • Desmond: Você está pronto para finalmente me dizer o que está acontecendo?
  • Lucy: Temos que detê-los, Desmond. Quando eles acessam a sua última memória... estão apenas começando. Eles querem mudar tudo. A maneira como vivemos, a maneira como pensamos, a maneira como somos. Você recebeu a palestra do Vidic. Sobre o que há de errado com o mundo, como precisamos de "ordem e disciplina". Então, eles vão nos dar. Só que não temos nada que dizer a respeito.
  • Desmond: Como?
  • Lucy: O tesouro dos Templários. Eles acham que...

O telefone de Lucy tocou e ela atendeu. Vidic respondeu através do telefone.

  • Vidic: Srta. Stillman!
  • Lucy: Estou aqui.
  • Vidic: Preciso que você envie os arquivos de Desmond para o banco de dados.
  • Lucy: Entendi.

Lucy desligou.

  • Desmond: E daí? Eles estão me usando para encontrar o tesouro dos Templários? Como eles chamam isso? A "Peça do Éden?"
  • Lucy: Sim.
  • Desmond: Bem, parece que está em Masyaf. Então eu não sei porque eles estão perdendo todo esse tempo comigo. Por que eles simplesmente não enviam seu pessoal para buscá-la?
  • Lucy: Eles não podem... não é assim tão simples. O artefato de Masyaf... eles o tinham. Foi destruído no acidente.
  • Desmond: Então, o que eles estão esperando de mim? Que o meu ancestral conte a eles?
  • Lucy: Eles estão esperando que ele mostre onde estão os outros.
  • Desmond: Você quer dizer que há mais de uma dessas coisas?!
  • Lucy: Oh, Desmond. Você não tem ideia.

O telefone de Lucy tocou novamente, com Vidic do outro lado.

  • Vidic: Há algum problema, Srta. Stillman?
  • Lucy: Não, Warren. Tudo está Denver do meu lado.
  • Vidic: Então, onde estão os arquivos?

Lucy desligou novamente.

  • Lucy: Preciso mover esses arquivos antes que ele suspeite. Falaremos mais tarde.
  • Desmond: O que significa "Tudo está Denver"?
  • Lucy: Significa que tudo está bem.
  • Desmond: Por que Denver?
  • Lucy: É uma referência ao Aeroporto Internacional de Denver. Há uma instalação subterrânea lá. É onde o acidente aconteceu.
História Aceita
  • Vidic: Desperdício de tempo, Sr. Miles!
  • Desmond: Sim, sim. Estou chegan...
  • Vidic: Estamos quase terminando, sabe.
  • Desmond: E depois o que?
  • Vidic: Você vai ver. Talvez eles até deixem você assistir quando começar. Não é tão terrível quanto você pensa.
  • Desmond: Olha, eu sei que você não vai me deixar sair. Então, por que não me diz o que está acontecendo? Faça-me rir.

Vidic respondeu astutamente.

  • Vidic: Eu não sou um idiota, Sr. Miles. Eu acho que você já aprendeu um pouco.

Desmond jogou tímido.

  • Desmond: Não sei do que você está falando.
  • Vidic: Claro que não.
  • Desmond: Tudo bem, deixe-me perguntar outra coisa então.
  • Vidic: Sim?
  • Desmond: Algumas das coisas que estou vendo no Animus... às vezes parece... errado. Falso, como se a história estivesse de alguma forma. Isso não...

Vidic interrompeu Desmond.

  • Vidic: Não faz o que, Sr. Miles? Combina com o que você lê em uma enciclopédia on-line? O que seu professor de história do ensino médio lhe ensinou? Deixe-me perguntar uma coisa: esses supostos especialistas têm acesso a conhecimentos secretos, mantidos ocultos do resto de nós?
  • Desmond: Existem livros, cartas, documentos... todo tipo de material de origem da época. Alguns deles parecem contradizer o que o Animus está me mostrando.
  • Vidic: Qualquer um pode escrever um livro e colocar o que quiser em suas páginas. Qualquer coisa. Costumávamos pensar que o mundo era plano.
  • Desmond: Algumas pessoas ainda pensam.
  • Vidic: Sim, e elas publicam livros sobre isso. Ou que o pouso na lua era uma farsa. Eu acredito que há também um livro que afirma que a Terra foi criada em sete dias. Um best-seller também!
  • Desmond: Para onde isso está indo, doutor?
  • Vidic: O ponto, suponho, é que você não deve confiar em tudo que ouve. Tudo o que lê. O que o seu ancestral disse? "Nada é verdade?"
  • Desmond: "Tudo é permitido."
  • Vidic: Sim, exatamente. É parte do que torna o Animus tão espetacular. Não há espaço para erros de interpretação...

Desmond interrompe Vidic.

  • Desmond: Sempre tem espaço.
  • Vidic: Touché, Sr. Miles. Agora que respondi sua pergunta, podemos começar?
Falha no Resgate
  • Vidic: Eu disse levante-se, caramba! Ouça!

Vidic ligou o interfone, através do qual podiam ser ouvidos tiros.

  • Lucy: Ah não.
  • Vidic: Parece que seus amigos Assassinos nos encontraram!
  • Desmond: O quê?
  • Vidic: Como você fez isso, Desmond?!
  • Desmond: Ei, olha, eu não sei do que você está falando, mas o que está acontecendo lá embaixo não tem nada a ver comigo!
  • Vidic: Eles estão aqui por você! E eu com certeza não os convidei!

Vidic falou no interfone.

  • Vidic: Qual é a situação lá embaixo?
  • Guarda da Abstergo: Estamos pegando fogo pesado!
  • Vidic: Você pode contê-lo, ou eu preciso evacuar o prisioneiro?!
  • Guarda da Abstergo: Apenas cinco ou seis! Nós os temos em menor número! Alguns feridos, mas vamos passar. Vamos controlá-lo.

Vidic desligou o interfone e virou-se para Desmond.

  • Vidic: Caramba, Desmond! Você não poderia ser deixado sozinho o suficiente!
  • Desmond: Eu te disse que não tinha nada a ver com isso! Como eu os contataria? Telepatia? Vamos!
  • Vidic: Não importa, eles estarão mortos em breve. Aqui, ouça!

Vidic ligou o interfone novamente e os tiros continuaram, antes de parar abruptamente.

  • Guarda da Abstergo: As ameaças foram neutralizadas.

Vidic desligou o interfone pela última vez, antes de voltar para Desmond.

  • Vidic: Parece que a cavalaria não virá.
  • Desmond: Não sei, doutor. Você estava pirando há um minuto atrás. Seu pequeno centro de pesquisa não é tão seguro quanto você pensava? Preocupado que eles voltarão com mais?
  • Lucy: Acho que não, Desmond.
  • Vidic: O que Lucy está tentando dizer é que não há Assassinos por vir. Estivemos muito ocupados no ano passado, caçando seus pequenos enclaves, suas comunidades no deserto e outros enfeites. Receio que você esteja por sua conta. Descanse, Sr. Miles. Amanhã terminamos!

Vidic saiu.

  • Lucy: Sinto muito, Desmond.
  • Desmond: Ele mencionou o deserto. Você acha que...
  • Lucy: Eles enviaram uma equipe para lá, mas o local estava deserto. Não sei onde estão seus pais e não posso prometer que ainda estão vivos. Mas acho que eles escaparam.
  • Desmond: Obrigado. Obrigado por verificar.
  • Lucy: Não é tão ruim quanto parece.
  • Desmond: Do que você está falando? Eles apenas mataram - literalmente mataram - minha única chance de sair daqui! E então, eu descobri que os Assassinos estão quase destruídos e... Cristo, eu ainda não sei o que essas pessoas estão planejando! Mas eu sei que eles planejam me matar quando terminarem! Estou ferrado, ok!? O que você quer que eu faça!?
  • Lucy: Apenas tente e tenha um pouco de fé.

Lucy dobrou o dedo anelar esquerdo, simbolizando os Assassinos.

  • Desmond: Você é...
  • Lucy: Tenha fé. Descanse, Desmond. Você vai precisar de energia.
A Águia e a Maçã

Desmond terminou a memória final de Altaïr.

  • Desmond: Que diabos foi isso?
  • Rikkin: Bem?!
  • Vidic: Nós temos o mapa.
  • Rikkin: Quantos?
  • Vidic: Pelo menos meia dúzia.
  • Rikkin: Nós não precisamos de todos eles.
  • Vidic: Deveríamos assumir alguma quantidade de deterioração. Não consigo imaginar que todos ainda estejam funcionando. Pelo menos dois parecem residir em massas de terra que não existem mais.
  • Rikkin: Enviaremos equipes para cada local e determinaremos a viabilidade. Afinal, precisamos apenas de um.
  • Vidic: E o resto?
  • Rikkin: Colete-os! Não vamos deixar nada ao acaso! A última coisa que precisamos é de algum maldito sobrevivente causando problemas para nós no Novo Mundo!
  • Vidic: E o Assassino?
  • Rikkin: Nós temos o que precisamos. Mate-o.
  • Lucy: Espere. Você sabe como essas coisas funcionam. Duvido que possamos entrar.
  • Rikkin: Onde você quer chegar?
  • Lucy: Podemos precisar dele. As memórias dele. Eu recomendo que o seguremos até termos a confirmação de que não há surpresas nos esperando nos locais.
  • Vidic: Isso é uma perda de tempo.
  • Lucy: Você mesmo disse. Não devemos deixar nada ao acaso.
  • Rikkin: Muito bem. Certifique-se de que não precisamos mais dele, depois mate-o.
  • Vidic: Tudo bem.

Vidic respondeu a Lucy.

  • Vidic: Pare de minar minha autoridade!
  • Lucy: Acabei de salvar sua vida.
  • Vidic: Vamos! Temos muito trabalho a fazer. Não fique muito confortável, Sr. Miles! Estaremos de volta em breve.

Desmond se levantou e ativou a Visão de Águia pela primeira vez. Muitos símbolos podiam ser vistos no chão da sala do Animus.

  • Desmond: Que diabo é isso?

Desmond foi para o quarto e notou mais símbolos na parede.

  • Desmond: Meu Deus! Parece que... é sangue?! Quem diabos eles estavam mantendo aqui antes de mim? O que aconteceu com ele? O que significa, eu me pergunto...?
Advertisement