FANDOM


 
(14 edições intermediárias de 4 usuários não apresentadas)
Linha 1: Linha 1:
{{Quote|"Nulla è reale, tutto è lecito"|Credo dos Assassinos Italianos}}
+
{{Era|AC2|ACB|PL|livrode2|livrodeBH|Revelações|Assassinos}}
 
{{Infobox de Facção
 
{{Infobox de Facção
|nome = Assassinos Italianos
+
|nome = Assassinos Italianos
|imagem = ACB_Crest.png
+
|imagem = Insígnia dos Assassinos Italianos.png
|imgdesc =
+
|site =
|ocultaro =
+
|ocultaro =
|fundador = [[Niccolò Polo]]<br>[[Matteo Polo]]
+
|fundador = [[Nicolau Polo|Nicolau]] e [[Maffeo Polo]]
|líder = [[Mentor]]
+
|líder = [[Mentor]]
|sede = [[Veneza]] (até a década de 1320)<br>[[Monteriggioni]] (até 1500)<br>[[Roma]]
+
|sede = [[Villa Auditore]], [[Monteriggioni]] <small>(década de 1320 - 1500)</small> [[Ilha Tiberina]], [[Roma]] (1500+)
|localização = [[Italia]]
+
|locais = [[Itália]]
|relacionados = [[Assassinos]]<br>[[Família Auditore]]<br>[[Cada de Medici]]
+
|relacionados = [[Assassinos]]<br>[[Casa dos Auditore]]<br>[[Casa dos Médici]]<br>[[Casa dos Sforza]]<br>[[Mercenários]]<br>[[Ladrões]]<br>[[Cortesãs]]
|religião =
+
|religião =
|ocultarh =
+
|ocultarh =
|formação = 1269
+
|formação = 1269
|colapso =
+
|reorganização =
|reorganização = 1501
+
|colapso =
|ocultara = sim
+
|ocultara =
  +
|notáveis = [[Ezio Auditore da Firenze|Ezio Auditore]]<br>[[Mario Auditore]]<br>[[Domenico Auditore]]<br>[[Nicolau Maquiavel]]<br>[[Bartolomeo d'Alviano]]<br>[[La Volpe]]<br>[[Claudia Auditore da Firenze|Claudia Auditore]]
 
}}
 
}}
Os assassinos italianos foram da Irmandade dos Assassinos na Itália, existente desde a sua formação durante a última metade do século 13.
+
A '''Irmandade Italiana de Assassinos''', ou simplesmente '''Assassinos Italianos''', foram a [[Guildas dos Assassinos|guilda]] da [[Itália]] dos [[Assassinos]], existindo desde o Século XIII.
Principalmente liderado pela família Auditore, os assassinos italianos estavam envolvidos principalmente em derrubar a corrupta família Bórgia, o corpo dirigente da Ordem dos Templários durante a Renascença.
+
===Fundação===
+
Primariamente liderados pelos [[Casa dos Auditore|Auditore]], os Assassinos Italianos ficaram conhecidos por derrubar várias conspirações do [[Rito Italiano da Ordem dos Templários|Rito Italiano]] da [[Ordem dos Templários]] em algumas das cidades principais italianas, além de bater de frente com a poderosa e maléfica [[Casa dos Bórgia|família Bórgia]] em [[Roma]].
Em 1257, os exploradores venezianos Niccolò e Maffeo Polo foram convidados a permanecer na fortaleza dos Assassinos em Masyaf por Darim Ibn-La'Ahad, o filho de Altaïr Ibn-La'Ahad. Após o treinamento dos dois para se tornarem Assassinos, o Altair, já idoso, confiou-lhes a criação de algumas Guildas de Assassinos e guardando seu autobiográfico Codex. Quando os mongóis finalmente atacaram, os irmãos Polo deixado Masyaf para a sua casa, em Constantinopla, onde eles foram bem sucedidos na criação de uma guilda em 1258. No entanto, durante a viagem, os Polos tinha perdido o Codex para os mongóis, falhando assim em sua promessa de protegê-lo. Em 1259, Niccolò e Maffeo viajaram para o Império Mongol, em um esforço para recuperar o Codex, mas falharam.
+
Em 1269, os Polo, chegaram a Veneza, Itália, onde eles criaram uma guilda Assassina, e Niccolò treinou seu filho Marco das mesmas formas que assassinos. Os três fizeram outra viagem ao Império Mongol dois anos mais tarde, o que resultou na recuperação bem sucedida de Marco do Codex, e levaram com eles de volta para a Itália em 1295.
+
==História==
===Formação do Auditore===
+
===Formação===
Marco Polo passou o Codex nas mãos do companheiro Assassino Dante Alighieri. No ano seguinte, Dante assumiu o filho - que mais tarde iria assumir o nome de Domenico Auditore - de um Assassino companheiro como aprendiz, e o menino, mais tarde, por sua vez, levou Dante e Codex para a Espanha .
+
Em 1257, os exploradores e comerciantes de [[Veneza]], [[Nicolau Polo|Nicolau]] e [[Maffeo Polo]], foram convidados por [[Darim Ibn-La'Ahad]] para ficar algum tempo na fortaleza de [[Masyaf]]. Após algum tempo de treinamento, os dois tornaram-se Assassinos, e o velho [[Altaïr Ibn-La'Ahad|Altaïr]] deu seu [[Códice de Altaïr Ibn-La'Ahad|Códice]] para os irmãos Polo, e deu a ordem de criar [[Guildas dos Assassinos|novas guildas]] no caminho deles de volta à Itália.
Em 1321, Dante foi morto pelos Templários, provando sua existência continuada para os Assassinos. O Codex foi dado a Domenico e ele foi encarregado de trazê-lo para a Espanha, no entanto, ele e sua família foram atacados por piratas empregados pelos Templários ao ser encaixado em Otranto, levando Domenico para espalhar as páginas do Codex em várias caixas em seu navio para impedir os piratas de encontrá-lo. A Esposa de Domenico foi brutalmente abusada e assassinada pelos piratas, mas Domenico e seu filho sobreviveram.
+
Tanto Marco Polo e pai de Domenico foram mortos pelos Templários em 1324, e usando o dinheiro de Marco, Domenico temporariamente resolvido em Florença, fingindo ser parte da nobreza da cidade, assumindo o nome Auditore. Mais tarde, ele comprou e reformou uma casa em Monteriggioni, no mesmo local onde nomeou de Vila Auditore, que se tornou a sede dos Assassinos italianos por quase dois séculos.
+
Quando as [[Império Mongol|tropas mongóis]] atacaram Masyaf, os irmãos Polo saíram de lá e ao chegar em [[Constantinopla]], conseguiram estabelecer uma guilda de Assassinos em 1258 lá, mas logo continuaram a jornada de volta a Veneza. No entanto, durante a jornada os Polos perderam o Códice para os mongóis, e tentaram o conseguir de volta, falhando. Anos depois, em 1269, após falhar ultimamente em recuperar o Códice, os Polos retornaram à Veneza e lá fundaram uma guilda nova de Assassinos, recrutando pessoas certas e as treinando. Nicolau teve um filho, [[Marco Polo]], e o treinou até virar um Assassino como seu pai. Marco, seu pai e seu tio então retornaram ao Império Mongol, desta vez recuperando o Códice.
  +
  +
===Ascensão dos Auditore===
  +
Marco Polo passou o Códice para [[Dante Alighieri]], outro Assassino, que fez o garoto [[Domenico Auditore|Domenico]], filho de um amigo Assassino de Dante, seu aprendiz. Domenico levou Dante e o Códice para a [[Espanha]], mas em 1321 Dante foi assassinado por Templários, provando a existência deles.
  +
  +
Domenico então foi à Espanha para guardar o Códice lá, mas piratas contratados por Templários atacaram o navio deles, e Domenico espalhou as páginas do Códice em dezenas de caixas diferentes no navio mercantil, e conseguiu fugir com seu filho [[Renato Auditore|Renato]], mas a esposa dele foi estuprada e morta pelos piratas.
  +
  +
Em 1324, os Templários continuaram a caçar os Assassinos, e ambos Marco Polo e o pai de Domenico foram caçados e mortos por agentes Templários. Domenico, usando o dinheiro de Marco, foi para [[Florença]] e assumiu o nome "Auditore", entrando na sociedade nobre florentina. Em 1327, Domenico comprou uma villa em [[Monteriggioni]] que ele chamou de [[Villa Auditore]], e que se tornou o quartel-general da Irmandade italiana por quase dois séculos. Domenico também selou a poderosa [[Armadura de Altaïr]] no [[Santuário]] secreto abaixo da Villa, espalhando os [[Selos dos Assassinos|selos]] nas tumbas de vários Assassinos icônicos.
  +
  +
Em 1355, os Assassinos italianos roubaram uma das [[Peças do Éden]], o [[Sudário do Éden|Sudário]], do Templário [[França|francês]] [[Geoffroy de Charny]], e o filho de Domenico, Renato, o escondeu em uma série de túneis perigosos abaixo de Monteriggioni. O Sudário depois foi recuperado pelo neto de Domenico, [[Mario Auditore]], que o deu à outra irmandade de Assassinos após tropas florentinas atacarem Monteriggioni em busca do Sudário.
  +
  +
===Impedindo Conspirações Templárias===
  +
Da década de 1470 em diante, os restaurados e renovados [[Templários Italianos]], sob a liderança do poderoso [[Rodrigo Bórgia]], planejaram unir a Itália sob a bandeira Templária através de uma série de conspirações. O irmão de Mario, [[Giovanni Auditore da Firenze|Giovanni]], foi o primeiro a suspeitar disso, e começou a investigar em [[Milão]].
  +
  +
Uma noite, Giovanni foi atacado por um grupo de Templários, após interrogar um deles, descobriu que Rodrigo Bórgia, conhecido por ele como "o Espanhol", pois não havia determinado a identidade, planejava assassinar o duque milanês [[Galeácio Maria Sforza]] para enfraquecer o poder do governante florentino [[Lourenço de Médici]] e tentar controlar Milão.
  +
  +
Giovanni correu até o Palácio Ducal, mas chegou tarde demais, pois o líder dos conspiradores, [[Giovanni Andrea Lampugnani]], esfaqueou o Duque letalmente no torso. Lampugnani foi morto pelo guarda-costas mouro de Sforza antes que pudesse ser interrogado, e Giovanni decidiu investigar mais, descobrindo uma carta misteriosa em [[Veneza]], e confrontou o Espanhol em pessoa, mas saiu ferido.
  +
  +
Após esses eventos, Giovanni decidiu fazer uma lista dos conspiradores Templários que ele havia confirmado, listando a família florentina [[Casa dos Pazzi|Pazzi]] inteira, as famílias milanesas Lampugnani, Olgiati e Visconti, que haviam sido executadas após a morte do Duque, o Espanhol, e alguns outros indivíduos que ele não havia determinado a identidade: um mercador veneziano, um banqueiro toscano e um aliado dos Pazzi.
  +
  +
Giovanni tentou prender o banqueiro [[Francesco de Pazzi]], mas antes que pudesse interferir mais, foi incriminado e executado pelo Gonfaloneiro Templário [[Uberto Alberti]], junto com seus filhos [[Federico Auditore da Firenze|Federico]] e [[Petruccio Auditore da Firenze|Petruccio]]. Seu filho [[Ezio Auditore da Firenze|Ezio]], no entanto, conseguiu sobreviver e foi treinado pela Assassina secreta [[Paola]] em como se misturar à multidão, e vingou sua família ao matar Uberto.
  +
  +
Ezio, sua mãe [[Maria Auditore da Firenze|Maria]] e sua irmã mais nova [[Claudia Auditore da Firenze|Claudia]] foram à Monteriggioni onde Mario treinou Ezio e lhe contou sobre os Assassinos e o Templários. Resolvendo assassinar todo Templário envolvido na grande conspiração, Ezio viajou à [[San Gimignano]] com seu tio e matou o Templário [[Vieri de Pazzi]], libertando a cidade e descobrindo os detalhes da conspiração florentina.
  +
[[File:AC2 Assassinato Francesco.png|thumb|220x220px|Ezio assassinando Francesco.]]
  +
De volta em Florença, em 1478, Ezio buscou [[La Volpe]], o mítico líder da [[Ladrões|Guilda de Ladrões]] florentina e Assassino secreto, que sugeriu que ele procurasse nas catacumbas da [[Santa Maria Novella]] pelos conspiradores. Lá, ele viu todos os conspiradores florentinos, e viu Rodrigo Bórgia dando instruções aos conspiradores de matar Lourenço e [[Juliano de Médici]] em frente a [[Santa Maria del Fiore]]. Ezio salvou Lourenço e matou Francesco de Pazzi, mas Juliano foi perdido.
  +
  +
Após a cidade ficar em paz novamente, Ezio falou com Lourenço, que lhe deu o nome dos co-conspiradores liderados por [[Jacopo de Pazzi]]: [[Stefano da Bagnone]], que foi confirmado como o aliado desconhecido dos Pazzi, [[Bernardo Baroncelli]], que foi confirmado como o banqueiro toscano, [[Francesco Salviati]], o Arcebispo de [[Pisa]], e [[Antonio Maffei]], um padre de {{Wiki|Volterra}}.
  +
  +
Ezio caçou os co-conspiradores de Jacopo ao longo da [[Toscana]], e ao finalmente encontrar Jacopo, o seguiu e descobriu Rodrigo Bórgia e o mercador veneziano, [[Emilio Barbarigo]], que puniram Jacopo de forma letal pelo fracasso dos Pazzi. Ezio decidiu ir à Veneza e caçar Emilio.
  +
[[File:TDI 2.png|thumb|220x220px|Ezio falando com Antonio.]]
  +
Em Veneza, Ezio aliou-se com o Assassino secreto e líder dos ladrões, [[Antonio de Magianis]], e trabalhou junto dele para reerguer a Guilda dos Ladrões, enfraquecer o poder de Emilio, e finalmente invadir o [[Palazzo della Seta]] e matar Emilio, em 1485. Ao enfrentar Emilio, Ezio descobriu a identidade de outro conspirador, [[Carlo Grimaldi]]. Seguindo Grimaldi, Ezio espionou a reunião dele com [[Marco Barbarigo|Marco]] e [[Silvio Barbarigo]], e o guarda-costas [[Dante Moro]]. Descobrindo uma conspiração para assassinar o Doge [[Giovanni Mocenigo]], Ezio matou Grimaldi mas foi incapaz de salvar Mocenigo, e consequentemente Marco Barbarigo tornou-se o novo Doge em 1486.
  +
  +
Naquele ano, que coincidentemente era época de carnaval veneziano, Ezio colaborou com Antonio e [[Teodora Contanto]], Assassina secreta e líder das cortesãs venezianas. Ele conseguiu a Máscara Carnavalesca Dourada ao vencer várias competições, se infiltrou na festa do Doge, e atirou em Marco com a [[Pistola Oculta]].
  +
  +
A influência Templária em Veneza estava desaparecendo, e Silvio Barbarigo e Dante Moro dominaram o [[Arsenal de Veneza]] pelo que parecia ser uma tentativa de tomar Veneza de volta com as tropas e exércitos. Ezio libertou [[Bartolomeo d'Alviano]], Assassino secreto e líder dos Mercenários venezianos, e junto com ele enfraqueceu o poderio Templário no arsenal e matou Silvio e Dante. Silvio revelou que a dominação do Arsenal era apenas uma distração, e Dante disse que eles iriam navegar para [[Chipre]], mas morreu antes de revelar os detalhes.
  +
  +
===Busca pela Câmara===
  +
[[File:Brinque 9.png|thumb|220x220px|Iniciação de Ezio.]]
  +
Os Assassinos e Templários buscavam o Códice de Altaïr pois ele revelaria a localização da [[Câmara do Vaticano|Câmara]], que supostamente continha poder infinito e poderia ser aberta apenas com a [[Maçã do Éden do Ezio|Maçã]] e [[Cajados do Éden|Cajado]] do Éden. Mario e os outros líderes Assassinos descobriram que um desses artefatos iria chegar em Veneza através de uma frota cipriota Templária.
  +
  +
Ezio, descobrindo que o que havia na caixa da frota interessava Rodrigo, disfarçou-se como guarda e pegou a caixa para levar a Rodrigo. Ao chegar no seu alvo, Ezio o confrontou mas ficou em desvantagem, e de repente todos seus aliados posteriores revelaram-se Assassinos e combateram os Templários, fazendo Rodrigo fugir a Maçã ser adquirida. Ezio foi posteriormente oficialmente induzido na Irmandade.
  +
  +
Os Assassinos decidiram esconder a Maçã na cidade de [[Forlì]], controlada pela aliada deles [[Caterina Sforza]] após ela pagar [[Ludovico Orsi|Ludovico]] e [[Checco Orsi]] para matar seu marido [[Girolamo Riario]]. No entanto, os Orsi foram novamente pagos pelos Templários para cercar Forlì, recuperar o mapa do Códice de Riario e tomar a Maçã de volta. Os Orsi foram mortos, mas a Maçã foi perdida pois Ezio ficou ferido pela adaga de Checco.
  +
  +
Rastreando a Maçã até Florença, controlada por [[Girolamo Savonarola]], o monge maluco, em 1497. Ezio, com a ajuda de [[Nicolau Maquiavel]], La Volpe e Paola, matou os tenentes de Savonarola e orquestrou uma revolta, causando a execução de Savonarola e recuperando a Maçã. Com o mapa de Riario, os Assassinos recuperaram todas as páginas do Códice e determinaram que a Câmara localizava-se abaixo do [[Vaticano]], descobrindo também o motivo de Rodrigo ter se tornado o Papa Alexandre VI.
  +
  +
Os Assassinos enviaram [[Perotto Calderon]] para se infiltrar e disfarçar-se em meio à corte dos Bórgia, para adquirir informações adicionais e interceptar mensagens. Infelizmente, Perotto se apaixonou por [[Lucrécia Bórgia]], a filha de Rodrigo, e engravidou ela. Ele conseguiu fugir com o [[Giovanni Bórgia|filho deformado]] dele, usando o Sudário descoberto para o curar. Entretanto, os Assassinos perseguiram e mataram Perotto por ter traído a Irmandade, mas o filho dele foi acolhido pelos Bórgia.
  +
  +
Ezio e os Assassinos foram para [[Roma]], e enquanto os outros causavam confusão na cidade para atrair a atenção da [[Guarda Papal]], Ezio se infiltrou na [[Capela Sistina]] e confrontou Rodrigo, que usou o Cajado Papal (revelado como o Cajado do Éden) para batalhar Ezio, que usou a Maçã para enganar Rodrigo. Ezio eventualmente derrotou seu arqui-inimigo, mas decidiu poupar-lo, a sede de vingança desaparecendo. Descobrindo que ele é o profeta, Ezio abriu e adentrou a Câmara, mas não achou nada além de uma mensagem críptica a [[Desmond Miles|alguém futuro]].
   
===Conspirações Templários===
+
Após isso, Ezio ficou perplexo, mas aceitou que aquela mensagem não era para ele, e que a mensagem havia sido passada. Ele deixou o Vaticano junto com Mario e regressou à Monteriggioni.
Por volta de 1478, um dos assassinos italianos, Ezio Auditore, conseguiu frustrar um esquema dos Templários. O esquema envolvia o assassinato de Lorenzo de Médici e seu irmão, o que lhes permitiria tomar o poder em Florença. Ao impedir isso, Ezio garantiu que Florence continuasse sendo uma cidade aliada aos assassinos.
+
Vários anos mais tarde, por volta de 1480, o assassino impediu os Templários de tomar o poder em Veneza, onde eles haviam assassinado o Doge, Giovanni Mocenigo, ter um deles em seu lugar. Assassinando vários alto-colocados dos Templários, os assassinos conseguiram instalar um Doge que era aliado dos Assassinos, garantindo a fidelidade de outra cidade.
+
===Queda de Monteriggioni===
Em Veneza, os assassinos italianos também conseguiram adquirir uma Maçã do Éden, que Ezio levou ao Vaticano para enfrentar contra Rodrigo Bórgia, Grão-Mestre da Ordem dos Templários, que se tornou o papa Alexandre VI. Rodrigo e Ezio duelaram, Ezio acabou saindo vitorioso.
+
Chegando em Monteriggioni, Ezio contou aos outros Assassinos sobre o que ele viu e fez no Vaticano e na Câmara, expressando mais interesse na Câmara. Entretanto, ao escutar que Ezio poupou Rodrigo, o grande inimigo que fez eles sofrerem tanto, Maquiavel ficou frustrado e deixou a cidade para ir a Roma.
====Lidando com os Bórgia====
+
[[File:Memória-difamado.png|thumb|220x220px|Mario derrotado.]]
Com a vitória sobre Rodrigo do assassino, seu filho enfurecido, Cesar, reuniu seu exército e atacou Monteriggioni. O ataque foi curto, mas feroz, e os Templários conseguiram recuperar a Maçã do Éden, matando Mario Auditore, e capturando Caterina Sforza.
+
Após pouco tempo de paz e tranquilidade, Ezio e os Assassinos foram surpreendidos por um grande exército dos Bórgia cercando Monteriggioni. O filho ilegítimo de Rodrigo, [[César Bórgia]], havia tomado as rédeas do Rito Italiano após a derrota de seu pai, e decidiu retribuir na forma de destruir os Auditore e reaver a Maçã.
Isto resultou no deslocamento dos assassinos italianos para Roma, onde continuou sua luta contra os Bórgia. Os assassinos conseguiram quebrar as defesas de Cesar cortando seus fundos, bem como o apoio do exército francês. Após o retorno de Cesar para a cidade, quando ele matou seu pai em um acesso de raiva, depois que ele foi logo preso pelo novo Papa.
+
Depois de sua fuga, Ezio Auditore seguiu para Valência e Viana, onde ele finalmente conseguiu matar Cesar, que se tornou o Grão-Mestre dos Templários após a morte de seu pai. Isso quebrou o poder dos Templários na Itália, permitindo que os assassinos de adquirissem mais aliados, como o novo Papa.
+
Os soldados de Monteriggioni e os Assassinos defenderam a cidade ferozmente para dar ao povo tempo para escapar pelos túneis, mas quando o povo havia fugido quase completamente, as defesas da cidade foram destruídas e parte da muralha caiu. As tropas dos Bórgia saquearam a cidade, e Mario foi executado por César e Caterina levada pelos Templários.
Durante este tempo mais pacífico, Ezio Auditore, agora o Mentor dos Assassinos italianos, partiu para Masyaf para procurar biblioteca de Altair. Durante a sua ausência sua irmã, Claudia Auditore levou os assassinos. Após o retorno de Ezio, ele decidiu se aposentar e nomeado Ludovico Ariosto o novo mentor.
+
[[Categoria:Irmandades dos Assassinos]]
+
Após isso, Ezio se dirigiu a Roma para reerguer a Irmandade e pôr um fim de uma vez por todas nos Bórgia e nos Templários. La Volpe, Bartolomeo, Claudia e Maria também foram para Roma pelo mesmo motivo.
[[Categoria:Assassin's Creed II]]
+
[[Categoria:Assassin's Creed: Brotherhood]]
+
===Libertação de Roma===
[[Categoria:Assassin's Creed: Revelations]]
+
[[Categoria:Ordem dos Assassinos]]
+
Em Roma, os Assassinos reergueram as [[Cortesãs]], agora liderada por Claudia, os [[Ladrões]], liderados por La Volpe, e os [[Mercenários]], liderados por Bartolomeo. Com uma forte rede de espiões em Roma, eles descobriram que Rodrigo e César geralmente ficam no [[Castelo de Santo Ângelo]] e que Caterina estava presa lá. Ezio não conseguiu assassinar os Bórgia mas resgatou Caterina.
[[Categoria:Assassinos por Nacionalidade]]
+
  +
Nos anos seguintes, Ezio recrutou vários cidadãos de Roma para a Irmandade, os treinando e os enviando em missões ao longo da Europa e Ásia, e ajudando várias irmandades distintas, assassinando Templários e protegendo aliados dos Assassinos. Ele também caçou os três tenentes de César: o banqueiro [[João Bórgia, O Velho|João Bórgia]], o general francês [[Octavian de Valois]] e o assassino [[Micheletto Corella]], além de assassinar numerosos agentes Templários em Roma e dominar as [[Torres dos Bórgia]].
  +
[[File:Estradas 3.png|thumb|180x180px|Os Assassinos unidos contra os Bórgia.]]
  +
O resultado foi que a irmandade italiana estava mais forte do que nunca, o poder dos Templários estava em ruínas e Roma estava próspera novamente. Quando César retornou de suas campanhas militares, ele tentou usar a Maçã para reverter a situação, mas acabou arruinando tudo mais ainda ao matar seu pai, o Papa, após ele tentar o envenenar. Ezio readquiriu a Maçã e a usou para destruir os exércitos de César, e as tropas papais estavam agora no comando de [[Fabio Orsini]], um aliado dos Assassinos, que prendeu César.
  +
  +
Enquanto César estava preso, os Assassinos destruíram o que restava da influência Templária em Roma, mas César conseguiu se libertar em 1506 e fez uma tentativa final de conquistar a Espanha e a Itália, mas acabou morto por Ezio durante o [[Cerco de Viana]].
  +
  +
===Tempos de paz===
  +
Após a erradicação dos Templários italianos e a paz que seguiu, Ezio viajou para [[Masyaf]] para aprender mais sobre o lendário Altaïr e a [[Livraria de Altaïr Ibn-La'Ahad|livraria]] dele. Durante esse período, Claudia ficou no comando dos Assassinos, e quando Ezio regressou, ele decidiu se aposentar de sua longa vida de Mentor, e escolheu [[Lodovico Ariosto]] como seu sucessor.
  +
  +
===Atualidade===
  +
Até 2012, uma célula de Assassinos baseada em Florença era liderada por [[Adriano Maestranzi]] e ajudou [[William Miles]] e sua equipe durante algumas das aventuras deles. Maestranzi descobriu que o filho de Will, [[Desmond Miles|Desmond]], estava sendo cativo na sede da [[Abstergo Industries]] em Roma, mas Will lhe disse que sua [[Lucy Stillman|infiltrada]] na Abstergo iria resgatar Desmond.
  +
  +
[[Harlan Cunningham]], um membro da célula italiana, emboscou um grupo de agentes da [[Equipe Delta]], distraindo a Abstergo e permitindo Will e sua equipe de escaparem da Itália. Após a equipe de Will adentrar o [[Grande Templo]], a célula italiana esteve em uma tentativa de prevenir hackers Templários de descobrirem a base da célula, e conseguiu por um tempo, mas infelizmente um membro foi rastreado.
  +
  +
Após isso, [[Juhani Otso Berg]] e a [[Equipe Sigma]] atacaram a base dos Assassinos, e ao chegarem no santuário onde Adriano estava, ele revelou uma bomba e explodiu o prédio inteiro, matando a maioria dos agentes da Abstergo, menos Berg, e destruindo os documentos e segredos que poderiam cair nas mãos dos Templários. O único sobrevivente da célula, Harlan enviou uma mensagem para Will, informando-o do que transcorreu, e disse que ele estava mal e que iria ficar na moita. Will respondeu encorajando Harlan a ficar forte.
  +
  +
==Membros==
  +
<div style="float:left; width:48;">
  +
*[[Dante Alighieri]]
  +
*[[Bartolomeo d'Alviano]]
  +
*[[Lodovico Ariosto]]
  +
*[[Claudia Auditore da Firenze]]
  +
*[[Domenico Auditore]]
  +
*[[Ezio Auditore da Firenze]]
  +
*[[Federico Auditore da Firenze]]
  +
*[[Giovanni Auditore da Firenze]]
  +
*[[Mario Auditore]]
  +
*[[Renato Auditore]]
  +
*[[Pietro Bembo]]
  +
*[[Giovanni Bórgia]]
  +
*[[Perotto Calderon]]
  +
*[[Baldassare Castiglione]]
  +
*[[Teodora Contanto]]
  +
*[[Harlan Cunningham]] {{c|[[Assassinos Coloniais|Irmandade Americana]]}}
  +
*[[Pai de Domenico Auditore]]
  +
*[[Cipriano Enu]]
  +
</div>
  +
<div style="float:right; width:48%;">
  +
*[[Ridolfo Fioravant]]
  +
*[[Nicolau Maquiavel]]
  +
*[[Adriano Maestranzi]]
  +
*[[Antonio de Magianis]]
  +
*[[Paola]]
  +
*[[Nicolau Polo]]
  +
*[[Maffeo Polo]]
  +
*[[Marco Polo]]
  +
*[[Rosa]]
  +
*[[Pietro Antonio Solari]]
  +
*[[Hiram Stoddard]] {{c|<nowiki>[</nowiki>[[Assassinos Britânicos|Irmandade Britânica]]}}
  +
*[[Tessa Varzi]]
  +
*[[Francesco Vecellio]]
  +
*[[Vincenzo]]
  +
*[[Rinaldo Vitturi]]
  +
*[[La Volpe]]
  +
</div>
  +
{{-}}
  +
  +
  +
==Referências==
  +
*''[[Assassin's Creed II]]''
  +
*''[[Assassin's Creed: Brotherhood]]''
  +
{{Nav Assassinos}}
  +
{{AC2}}
  +
{{ACBH}}
  +
{{ACR}}
  +
{{ACPL}}
  +
{{ACI}}
  +
{{ACM}}
  +
[[Categoria:Ramos dos Assassinos]]

Edição atual tal como às 16h05min de 8 de junho de 2017

Íconedeera-AC2Íconedeera-BrotherhoodÍconedeera-Project LegacyÍconedeera-RenascençaÍconedeera-RevelaçõesÍconedeera-Assassinos

A Irmandade Italiana de Assassinos, ou simplesmente Assassinos Italianos, foram a guilda da Itália dos Assassinos, existindo desde o Século XIII.

Primariamente liderados pelos Auditore, os Assassinos Italianos ficaram conhecidos por derrubar várias conspirações do Rito Italiano da Ordem dos Templários em algumas das cidades principais italianas, além de bater de frente com a poderosa e maléfica família Bórgia em Roma.

HistóriaEditar

FormaçãoEditar

Em 1257, os exploradores e comerciantes de Veneza, Nicolau e Maffeo Polo, foram convidados por Darim Ibn-La'Ahad para ficar algum tempo na fortaleza de Masyaf. Após algum tempo de treinamento, os dois tornaram-se Assassinos, e o velho Altaïr deu seu Códice para os irmãos Polo, e deu a ordem de criar novas guildas no caminho deles de volta à Itália.

Quando as tropas mongóis atacaram Masyaf, os irmãos Polo saíram de lá e ao chegar em Constantinopla, conseguiram estabelecer uma guilda de Assassinos em 1258 lá, mas logo continuaram a jornada de volta a Veneza. No entanto, durante a jornada os Polos perderam o Códice para os mongóis, e tentaram o conseguir de volta, falhando. Anos depois, em 1269, após falhar ultimamente em recuperar o Códice, os Polos retornaram à Veneza e lá fundaram uma guilda nova de Assassinos, recrutando pessoas certas e as treinando. Nicolau teve um filho, Marco Polo, e o treinou até virar um Assassino como seu pai. Marco, seu pai e seu tio então retornaram ao Império Mongol, desta vez recuperando o Códice.

Ascensão dos AuditoreEditar

Marco Polo passou o Códice para Dante Alighieri, outro Assassino, que fez o garoto Domenico, filho de um amigo Assassino de Dante, seu aprendiz. Domenico levou Dante e o Códice para a Espanha, mas em 1321 Dante foi assassinado por Templários, provando a existência deles.

Domenico então foi à Espanha para guardar o Códice lá, mas piratas contratados por Templários atacaram o navio deles, e Domenico espalhou as páginas do Códice em dezenas de caixas diferentes no navio mercantil, e conseguiu fugir com seu filho Renato, mas a esposa dele foi estuprada e morta pelos piratas.

Em 1324, os Templários continuaram a caçar os Assassinos, e ambos Marco Polo e o pai de Domenico foram caçados e mortos por agentes Templários. Domenico, usando o dinheiro de Marco, foi para Florença e assumiu o nome "Auditore", entrando na sociedade nobre florentina. Em 1327, Domenico comprou uma villa em Monteriggioni que ele chamou de Villa Auditore, e que se tornou o quartel-general da Irmandade italiana por quase dois séculos. Domenico também selou a poderosa Armadura de Altaïr no Santuário secreto abaixo da Villa, espalhando os selos nas tumbas de vários Assassinos icônicos.

Em 1355, os Assassinos italianos roubaram uma das Peças do Éden, o Sudário, do Templário francês Geoffroy de Charny, e o filho de Domenico, Renato, o escondeu em uma série de túneis perigosos abaixo de Monteriggioni. O Sudário depois foi recuperado pelo neto de Domenico, Mario Auditore, que o deu à outra irmandade de Assassinos após tropas florentinas atacarem Monteriggioni em busca do Sudário.

Impedindo Conspirações TempláriasEditar

Da década de 1470 em diante, os restaurados e renovados Templários Italianos, sob a liderança do poderoso Rodrigo Bórgia, planejaram unir a Itália sob a bandeira Templária através de uma série de conspirações. O irmão de Mario, Giovanni, foi o primeiro a suspeitar disso, e começou a investigar em Milão.

Uma noite, Giovanni foi atacado por um grupo de Templários, após interrogar um deles, descobriu que Rodrigo Bórgia, conhecido por ele como "o Espanhol", pois não havia determinado a identidade, planejava assassinar o duque milanês Galeácio Maria Sforza para enfraquecer o poder do governante florentino Lourenço de Médici e tentar controlar Milão.

Giovanni correu até o Palácio Ducal, mas chegou tarde demais, pois o líder dos conspiradores, Giovanni Andrea Lampugnani, esfaqueou o Duque letalmente no torso. Lampugnani foi morto pelo guarda-costas mouro de Sforza antes que pudesse ser interrogado, e Giovanni decidiu investigar mais, descobrindo uma carta misteriosa em Veneza, e confrontou o Espanhol em pessoa, mas saiu ferido.

Após esses eventos, Giovanni decidiu fazer uma lista dos conspiradores Templários que ele havia confirmado, listando a família florentina Pazzi inteira, as famílias milanesas Lampugnani, Olgiati e Visconti, que haviam sido executadas após a morte do Duque, o Espanhol, e alguns outros indivíduos que ele não havia determinado a identidade: um mercador veneziano, um banqueiro toscano e um aliado dos Pazzi.

Giovanni tentou prender o banqueiro Francesco de Pazzi, mas antes que pudesse interferir mais, foi incriminado e executado pelo Gonfaloneiro Templário Uberto Alberti, junto com seus filhos Federico e Petruccio. Seu filho Ezio, no entanto, conseguiu sobreviver e foi treinado pela Assassina secreta Paola em como se misturar à multidão, e vingou sua família ao matar Uberto.

Ezio, sua mãe Maria e sua irmã mais nova Claudia foram à Monteriggioni onde Mario treinou Ezio e lhe contou sobre os Assassinos e o Templários. Resolvendo assassinar todo Templário envolvido na grande conspiração, Ezio viajou à San Gimignano com seu tio e matou o Templário Vieri de Pazzi, libertando a cidade e descobrindo os detalhes da conspiração florentina.

AC2 Assassinato Francesco

Ezio assassinando Francesco.

De volta em Florença, em 1478, Ezio buscou La Volpe, o mítico líder da Guilda de Ladrões florentina e Assassino secreto, que sugeriu que ele procurasse nas catacumbas da Santa Maria Novella pelos conspiradores. Lá, ele viu todos os conspiradores florentinos, e viu Rodrigo Bórgia dando instruções aos conspiradores de matar Lourenço e Juliano de Médici em frente a Santa Maria del Fiore. Ezio salvou Lourenço e matou Francesco de Pazzi, mas Juliano foi perdido.

Após a cidade ficar em paz novamente, Ezio falou com Lourenço, que lhe deu o nome dos co-conspiradores liderados por Jacopo de Pazzi: Stefano da Bagnone, que foi confirmado como o aliado desconhecido dos Pazzi, Bernardo Baroncelli, que foi confirmado como o banqueiro toscano, Francesco Salviati, o Arcebispo de Pisa, e Antonio Maffei, um padre de Volterra.

Ezio caçou os co-conspiradores de Jacopo ao longo da Toscana, e ao finalmente encontrar Jacopo, o seguiu e descobriu Rodrigo Bórgia e o mercador veneziano, Emilio Barbarigo, que puniram Jacopo de forma letal pelo fracasso dos Pazzi. Ezio decidiu ir à Veneza e caçar Emilio.

TDI 2

Ezio falando com Antonio.

Em Veneza, Ezio aliou-se com o Assassino secreto e líder dos ladrões, Antonio de Magianis, e trabalhou junto dele para reerguer a Guilda dos Ladrões, enfraquecer o poder de Emilio, e finalmente invadir o Palazzo della Seta e matar Emilio, em 1485. Ao enfrentar Emilio, Ezio descobriu a identidade de outro conspirador, Carlo Grimaldi. Seguindo Grimaldi, Ezio espionou a reunião dele com Marco e Silvio Barbarigo, e o guarda-costas Dante Moro. Descobrindo uma conspiração para assassinar o Doge Giovanni Mocenigo, Ezio matou Grimaldi mas foi incapaz de salvar Mocenigo, e consequentemente Marco Barbarigo tornou-se o novo Doge em 1486.

Naquele ano, que coincidentemente era época de carnaval veneziano, Ezio colaborou com Antonio e Teodora Contanto, Assassina secreta e líder das cortesãs venezianas. Ele conseguiu a Máscara Carnavalesca Dourada ao vencer várias competições, se infiltrou na festa do Doge, e atirou em Marco com a Pistola Oculta.

A influência Templária em Veneza estava desaparecendo, e Silvio Barbarigo e Dante Moro dominaram o Arsenal de Veneza pelo que parecia ser uma tentativa de tomar Veneza de volta com as tropas e exércitos. Ezio libertou Bartolomeo d'Alviano, Assassino secreto e líder dos Mercenários venezianos, e junto com ele enfraqueceu o poderio Templário no arsenal e matou Silvio e Dante. Silvio revelou que a dominação do Arsenal era apenas uma distração, e Dante disse que eles iriam navegar para Chipre, mas morreu antes de revelar os detalhes.

Busca pela CâmaraEditar

Brinque 9

Iniciação de Ezio.

Os Assassinos e Templários buscavam o Códice de Altaïr pois ele revelaria a localização da Câmara, que supostamente continha poder infinito e poderia ser aberta apenas com a Maçã e Cajado do Éden. Mario e os outros líderes Assassinos descobriram que um desses artefatos iria chegar em Veneza através de uma frota cipriota Templária.

Ezio, descobrindo que o que havia na caixa da frota interessava Rodrigo, disfarçou-se como guarda e pegou a caixa para levar a Rodrigo. Ao chegar no seu alvo, Ezio o confrontou mas ficou em desvantagem, e de repente todos seus aliados posteriores revelaram-se Assassinos e combateram os Templários, fazendo Rodrigo fugir a Maçã ser adquirida. Ezio foi posteriormente oficialmente induzido na Irmandade.

Os Assassinos decidiram esconder a Maçã na cidade de Forlì, controlada pela aliada deles Caterina Sforza após ela pagar Ludovico e Checco Orsi para matar seu marido Girolamo Riario. No entanto, os Orsi foram novamente pagos pelos Templários para cercar Forlì, recuperar o mapa do Códice de Riario e tomar a Maçã de volta. Os Orsi foram mortos, mas a Maçã foi perdida pois Ezio ficou ferido pela adaga de Checco.

Rastreando a Maçã até Florença, controlada por Girolamo Savonarola, o monge maluco, em 1497. Ezio, com a ajuda de Nicolau Maquiavel, La Volpe e Paola, matou os tenentes de Savonarola e orquestrou uma revolta, causando a execução de Savonarola e recuperando a Maçã. Com o mapa de Riario, os Assassinos recuperaram todas as páginas do Códice e determinaram que a Câmara localizava-se abaixo do Vaticano, descobrindo também o motivo de Rodrigo ter se tornado o Papa Alexandre VI.

Os Assassinos enviaram Perotto Calderon para se infiltrar e disfarçar-se em meio à corte dos Bórgia, para adquirir informações adicionais e interceptar mensagens. Infelizmente, Perotto se apaixonou por Lucrécia Bórgia, a filha de Rodrigo, e engravidou ela. Ele conseguiu fugir com o filho deformado dele, usando o Sudário descoberto para o curar. Entretanto, os Assassinos perseguiram e mataram Perotto por ter traído a Irmandade, mas o filho dele foi acolhido pelos Bórgia.

Ezio e os Assassinos foram para Roma, e enquanto os outros causavam confusão na cidade para atrair a atenção da Guarda Papal, Ezio se infiltrou na Capela Sistina e confrontou Rodrigo, que usou o Cajado Papal (revelado como o Cajado do Éden) para batalhar Ezio, que usou a Maçã para enganar Rodrigo. Ezio eventualmente derrotou seu arqui-inimigo, mas decidiu poupar-lo, a sede de vingança desaparecendo. Descobrindo que ele é o profeta, Ezio abriu e adentrou a Câmara, mas não achou nada além de uma mensagem críptica a alguém futuro.

Após isso, Ezio ficou perplexo, mas aceitou que aquela mensagem não era para ele, e que a mensagem havia sido passada. Ele deixou o Vaticano junto com Mario e regressou à Monteriggioni.

Queda de MonteriggioniEditar

Chegando em Monteriggioni, Ezio contou aos outros Assassinos sobre o que ele viu e fez no Vaticano e na Câmara, expressando mais interesse na Câmara. Entretanto, ao escutar que Ezio poupou Rodrigo, o grande inimigo que fez eles sofrerem tanto, Maquiavel ficou frustrado e deixou a cidade para ir a Roma.

Memória-difamado

Mario derrotado.

Após pouco tempo de paz e tranquilidade, Ezio e os Assassinos foram surpreendidos por um grande exército dos Bórgia cercando Monteriggioni. O filho ilegítimo de Rodrigo, César Bórgia, havia tomado as rédeas do Rito Italiano após a derrota de seu pai, e decidiu retribuir na forma de destruir os Auditore e reaver a Maçã.

Os soldados de Monteriggioni e os Assassinos defenderam a cidade ferozmente para dar ao povo tempo para escapar pelos túneis, mas quando o povo havia fugido quase completamente, as defesas da cidade foram destruídas e parte da muralha caiu. As tropas dos Bórgia saquearam a cidade, e Mario foi executado por César e Caterina levada pelos Templários.

Após isso, Ezio se dirigiu a Roma para reerguer a Irmandade e pôr um fim de uma vez por todas nos Bórgia e nos Templários. La Volpe, Bartolomeo, Claudia e Maria também foram para Roma pelo mesmo motivo.

Libertação de RomaEditar

Em Roma, os Assassinos reergueram as Cortesãs, agora liderada por Claudia, os Ladrões, liderados por La Volpe, e os Mercenários, liderados por Bartolomeo. Com uma forte rede de espiões em Roma, eles descobriram que Rodrigo e César geralmente ficam no Castelo de Santo Ângelo e que Caterina estava presa lá. Ezio não conseguiu assassinar os Bórgia mas resgatou Caterina.

Nos anos seguintes, Ezio recrutou vários cidadãos de Roma para a Irmandade, os treinando e os enviando em missões ao longo da Europa e Ásia, e ajudando várias irmandades distintas, assassinando Templários e protegendo aliados dos Assassinos. Ele também caçou os três tenentes de César: o banqueiro João Bórgia, o general francês Octavian de Valois e o assassino Micheletto Corella, além de assassinar numerosos agentes Templários em Roma e dominar as Torres dos Bórgia.

Estradas 3

Os Assassinos unidos contra os Bórgia.

O resultado foi que a irmandade italiana estava mais forte do que nunca, o poder dos Templários estava em ruínas e Roma estava próspera novamente. Quando César retornou de suas campanhas militares, ele tentou usar a Maçã para reverter a situação, mas acabou arruinando tudo mais ainda ao matar seu pai, o Papa, após ele tentar o envenenar. Ezio readquiriu a Maçã e a usou para destruir os exércitos de César, e as tropas papais estavam agora no comando de Fabio Orsini, um aliado dos Assassinos, que prendeu César.

Enquanto César estava preso, os Assassinos destruíram o que restava da influência Templária em Roma, mas César conseguiu se libertar em 1506 e fez uma tentativa final de conquistar a Espanha e a Itália, mas acabou morto por Ezio durante o Cerco de Viana.

Tempos de pazEditar

Após a erradicação dos Templários italianos e a paz que seguiu, Ezio viajou para Masyaf para aprender mais sobre o lendário Altaïr e a livraria dele. Durante esse período, Claudia ficou no comando dos Assassinos, e quando Ezio regressou, ele decidiu se aposentar de sua longa vida de Mentor, e escolheu Lodovico Ariosto como seu sucessor.

AtualidadeEditar

Até 2012, uma célula de Assassinos baseada em Florença era liderada por Adriano Maestranzi e ajudou William Miles e sua equipe durante algumas das aventuras deles. Maestranzi descobriu que o filho de Will, Desmond, estava sendo cativo na sede da Abstergo Industries em Roma, mas Will lhe disse que sua infiltrada na Abstergo iria resgatar Desmond.

Harlan Cunningham, um membro da célula italiana, emboscou um grupo de agentes da Equipe Delta, distraindo a Abstergo e permitindo Will e sua equipe de escaparem da Itália. Após a equipe de Will adentrar o Grande Templo, a célula italiana esteve em uma tentativa de prevenir hackers Templários de descobrirem a base da célula, e conseguiu por um tempo, mas infelizmente um membro foi rastreado.

Após isso, Juhani Otso Berg e a Equipe Sigma atacaram a base dos Assassinos, e ao chegarem no santuário onde Adriano estava, ele revelou uma bomba e explodiu o prédio inteiro, matando a maioria dos agentes da Abstergo, menos Berg, e destruindo os documentos e segredos que poderiam cair nas mãos dos Templários. O único sobrevivente da célula, Harlan enviou uma mensagem para Will, informando-o do que transcorreu, e disse que ele estava mal e que iria ficar na moita. Will respondeu encorajando Harlan a ficar forte.

MembrosEditar


ReferênciasEditar

Predefinição:ACPL Predefinição:ACI Predefinição:ACM

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.