FANDOM


  • Vidic: 12 de fevereiro, 1981. Entrevista Qualitativa Pessoal com o Indivíduo Um, na pesquisa de ancestrais relacionados à Aveline De Grand Pré [sic]. Como está se sentindo? Algum efeito colateral?
  • Indivíduo 1: Não muitos, tirando as dores de cabeças. Tem piorado desde que comecei a ficar mais tempo. Mas… eu não quero parar. Gosto dela. Quero saber o que ela faz a seguir.
  • Vidic: E como é, receber as memórias dela?
  • Indivíduo 1: Tão diferente. O Animus, quero dizer. O passado. Pri... pri... primeiramente foi confuso. Distrativo. Como Nova Orleans. O fedor. Eu não tava esperando todos os cheiros.
  • Vidic: O olfato é o sentido diretamente ligado à memória.
  • Indivíduo 1: Quando estou nas memórias dela, é como se eu pudesse sentir mais cheiros que o normal.
  • Vidic: Mulheres costumam ter o olfato mais apurado do que os homens. Fiquei imaginando como isso iria passar. Mais alguma coisa?
  • Indivíduo 1: Sim, ela é menor que eu. Mas é como se o corpo dela pudesse fazer mais.
  • Vidic: Isso surpreendeu você?
  • Indivíduo 1: No começo, sim. O pessoal do ERA vai me odiar por isso, mas azar. Eu não costumo pensar em garotas daquele jeito, escalando coisas. Minha mãe. Minhas irmãs. A sensação animal de Aveline afundando sua lâmina oculta na garganta de...
  • Vidic: Prossiga.
  • Indivíduo 1: Não parece... feminino. O que penso ser feminino. Mas ao mesmo tempo parece. O centro de gravidade dela é bem mais baixo. Isso foi uma surpresa, o quão fácil foi aterrissar. O quão firme eu estava nos pés dela... Desculpe. É difícil falar sobre isso.
  • Vidic: Não. É fascinante. Isso é o que precisamos. Experiência pura, com suas próprias palavras.
  • Indivíduo 1: Ok.
  • Vidic: Pode me contar algo sobre Gérald Blanc?
  • Indivíduo 1: O que ele tem?
  • Vidic: Ele e Aveline eram próximos, mas não fomos capazes de averiguar se ele poderia ser o seu ancestral perdido. As memórias dela sugerem algo pra você?
  • Indivíduo 1: Er...
  • Vidic: Isso deixa você desconfortável? Lembre-se, essas são as memórias DELA. Você só está assistindo. Não é nem mesmo atuação. Você é um pesquisador.
  • Indivíduo 1: Como você disse, eu não a vi... consumar... qualquer coisa. Isso seria... De qualquer forma, eu acho que talvez ela tivesse confusa.
  • Vidic: Oh?
  • Indivíduo 1: Bem, uhn, primeiramente, eu não tenho tanta certeza, ok. Quero dizer… rapazes pensam mais em sexo do que as garotas, certo? Não é um fato?
  • Vidic: Como pesquisador, o que você observou?
  • Indivíduo 1: Isso significa que ela é mais... como um cara... se ela pensa sobre isso... É por isso que ela é capaz de assassinar. Bem, ok, o negócio é o seguinte, eu não conheço os pensamentos dela. Mas partindo do que está em suas memórias, fisicamente... inquieta. Alguma hesitação. O que ela olhava. Quem ela evitava olhar. As coisas que ela não disse quando eu esperava que ela o fizesse... Se eu tivesse que ADIVINHAR o que significava, eu acharia que ela estava pensando sobre... sexo. Mas eu sou um cara, e eu pensaria nisso, certo? Então o que significa uma mulher agir daquele jeito? Tem que significar mais alguma coisa, não?
  • Vidic: Como usuário da experiência, é capaz de observar com mais clareza do que eu em uma revisão. E sobre... chamar atenção dos homens?
  • Indivíduo 1: Achei que isso seria o mais difícil de lidar. Eu não curto isso, só pra constar. Nem um pouco.
  • Vidic: Sim, eu sei.
  • Indivíduo 1: Mas a maneira com que ela lidava com isso… aconteceu tanto. É... como se você tivesse parado de perceber tudo o que ela faz para evitar. Atravessando a rua. Olhos na nuca. Ela sabia como se virar. Quando ela estava "jogando charme", parecia como... matar. Ou se preparando pra matar. Eu... podemos fazer um intervalo, Sr. Vidic?
  • Vidic: É claro.

[Pausa na gravação]

  • Vidic: Pronto pra ir?
  • Indivíduo 1: Sim.
  • Vidic: Aveline era negra.
  • Indivíduo 1: E branca, por parte de pai.
  • Vidic: Você é sensível quanto a isso.
  • Indivíduo 1: Eu acho. Quero dizer, eu sou branco. Aveline parece negra, então é diferente. Mas você se acostuma com isso, como com o lance de ser mulher. Até que alguém te desacostuma.
  • Vidic: O que quer dizer?
  • Indivíduo 1: Eu não acho que eu nunca tive que pensar muito sobre o que eu estou vestindo ou como estou caminhando. Mas Aveline, é tipo, ela vai a vida toda dela naquele... uniforme.
  • Vidic: As pessoas esperam que ela se comporte de certa forma.
  • Indivíduo 1: Definitivamente. Algumas vezes eu me preocupo se vou escorregar e ficar muito relaxado no depósito, e, não sei… detonar o disfarce dela.
  • Vidic: Você não consegue fazer isso.
  • Indivíduo 1: Eu sei, eu sei, eu só estou assistindo as memórias dela. Não posso mudá-las. Mas... Eu sei. Mas eu vejo, certo? É um risco. É...
  • Vidic: Estressante?
  • Indivíduo 1: Sim. É melhor quando ela sai como Assassina. Andando pelos telhados ou na baía pantanosa. Acho que ela fica mais relaxada assim. Consegue imaginar? Você ficar só relaxado quando vai matar alguém?
  • Vidic: Vamos nos manter nas memórias, não na imaginação. E sobre os escravos?
  • Indivíduo 1: Eles estão, tipo... por toda parte. Isso parece ruim. Escravidão é ruim. Mas ninguém age como se fosse ruim. É divertido quando ela liberta os escravos. Deveria ser divertido?
  • Vidic: Não estamos procurando pelo que "deveria ser", foque no que "é".

[Estática pesada]

  • Indivíduo 1: É bem difícil de falar sobre tudo isso.

[O áudio termina, cortando para estática]

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.

Fandom may earn an affiliate commission on sales made from links on this page.

Stream the best stories.

Fandom may earn an affiliate commission on sales made from links on this page.

Get Disney+