Lote de conversa salvo entre Melanie Lemay e Olivier Garneau.

ARQUIVO DE CONVERSA: TODOS TRABALHANDO NO FIM DE SEMANA

Olivier: Eu preciso que vocês me passem tudo o que conseguirem sobre o Observatório até sexta-feira. Conseguem fazer isso?

Mel: Não! Você enlouqueceu? Nem sabemos onde ele está ainda. E sexta é feriado.

Olivier: Feriado? Sério? Seu pessoal percebe que trabalhar aqui é um privilégio? Se eles se importam com o próprio emprego, eles virão e será uma honra.

Olivier: E não, não estou louco. Estou sendo pressionado pela Laetitia. Se não terminarmos, ela vai descontar no Demônios e TODO nosso trabalho será perdido.

Mel: Argh. Ela faz alguma ideia de como as coisas funcionam aqui?

Olivier: Ela também sofre pressão.

Mel: Eu sei disso, mas já estamos fazendo hora extra.

Mel: E quando vamos discutir sobre como a história do Demônios tem que mudar para entrar nesse negócio do Observatório? Como vou vender isso?

Olivier: Você não vai. É muito sensível.

Mel: Então estamos coletando memórias sem MOTIVO ALGUM?

Olivier: Sem motivo, não. A Laetitia vai usá-las.

Mel: Isso é ridículo. Você quer que devotemos nossas vidas para encontrar informações que não temos permissão de desenvolver ou entender ou usar. Não vai ajudar nas vendas e meu pessoal nunca vai ver seu trabalho publicado. Como espera que eu os motive?

Olivier: Eu não sei. Dê café da manhã. Pain au chocolat. Finja que "contrabandeou" licor de café. Um pouco de cerveja no lanche. Alimente eles. Eles vão te perdoar.

Mel: De novo? Eles não vão continuar caindo nessa.

Olivier: Sim, eles vão. Pão e circo. Pode procurar, existe.

Mel: Qual é, fala sério.

Olivier: Estou sendo sério. Lembre-se: nada disso vem de mim. A Laetitia precisa do que ela precisa. Se você quer que o projeto continue, temos que mantê-la feliz.

Olivier: O Observatório não tem nada a ver com piratas mesmo. Só complicaria as coisas. Tira o foco da ação.

Mel: Mas é fascinante. Eu percebi que é mais maduro e complexo. (Não acredito que sou eu falando isso...) mas seria LOUCURA não usar.

Mel: Imagine: poderíamos vender para fãs de piratas E de teorias da conspiração ao mesmo tempo. O potencial de mercado é IMENSO.

Olivier: Não podemos usar, então pare de pedir, por favor.

Mel: Isso é loucura.

Olivier: Como você já sabe, Melanie, esta companhia é uma subsidiária das Indústrias Abstergo, e as Indústrias Abstergo têm uma cultura diferente. Eles seguem hierarquia e regras. Não podemos sempre gostar, mas se queremos avançar aqui, temos que ter cuidado.

Mel: Você está protegendo ela.

Olivier: Estou protegendo *você*. Eu sei que temos nossas discussões de tempos em tempos, mas também sei que você se importa com nosso trabalho, e eu não quero ver você sendo expulsa da conversa. Precisamos de você.

Olivier: Entende?

Mel: É, eu entendi. "Escolher minhas batalhas." É senso comum. Não sei por que isso tem me incomodado tanto. Só estou cansada.

Olivier: Então eu não preciso procurar outra pessoa?

Mel: Não. Nós vamos fazer... de algum jeito.

Olivier: Eu vou levar pessoalmente o licor de café para o café da manhã.

Mel: Rs. Obrigada. Vou encontrar algum jeito de deixá-los animados nesse meio tempo.

Olivier: Se isso faz você se sentir melhor, posso te contar um segredo...

Mel: O quê?! :-D

Se tivermos sucesso com o Observatório, a Abstergo pode criar uma atração em Las Vegas para acompanhar o lançamento de Demônios.

Mel: COMO É QUE É???!!!

Olivier: Eles estão tentando uma parceria com aquelas pessoas do circo aquático que você gosta. Imagine celebrar com todo o time em um show ao vivo de gladiadores: Assassinos contra Templários contra Piratas contra Tubarões.

Mel: Caramba. Estou abismada. Como você pensa nessas coisas?

Olivier: Ah, eu tenho todo o tipo de pequenas coisas gravadas aqui e ali. Sempre acho que vou conseguir fazer algo em um momento de sossego.

Mel: Mas nunca há momentos de sossego.

Mel: Ah, enfim, um dia você se aposenta.

Olivier: Não se eu tiver sorte.

Mel: Eu também. ;-)

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.